Jornalista Humberto Santos lança seu primeiro livro “Literacia Mediática e Informacional”

20/02/2020 01:25 - Modificado em 20/02/2020 01:25

A obra denominada “Literacia Mediática e Informacional” vai ser lançada na sexta-feira, 28 e além de falar dos desafios dos media na era digital, o livro contém, também, tópicos sobre as soluções e ferramentas para a verificação das informações que circulam nos media tradicionais e nas redes sociais.

Conforme o jornalista cabo-verdiano Humberto Santos, o mais importante que o livro ressalta é a compreensão da necessidade de se consumir as notícias de forma criteriosa, isto é, compreender que as notícias são construções humanas e não a realidade. “E como construções humanas são susceptíveis a erros cometidos, na maior parte das vezes de forma inconsciente, mas outras vezes de forma consciente”, refere o profissional de comunicação social citado pela Inforpress.

Conforme mostrou, a obra evidencia ainda que esta era “por muitos chamada era da pós-verdade”, é também uma oportunidade para os órgãos tradicionais de comunicação social mostrarem à sociedade que a sua missão se justifica mais do que nunca, e que ela é fundamental para garantir a verdade dos factos.

“Mas, para isso, o jornalismo profissional precisa saber contornar a “armadilha” que esta era digital apresenta que é a rapidez e a facilidade que oferece para se publicar a toda hora e quase de forma instantânea. E pode contornar isso, por um lado, recorrendo às velhas armas do jornalismo que são: a verificação dos factos antes de as publicar, a separação dos factos das opiniões, a capacidade de ser confiável e de se responsabilizar pelo que publica”, defendeu.

No entender de Humberto Santos, é necessário que as redacções se reorganizem, de forma a poderem fazer o seu trabalho de verificação dos factos, desmascarando as informações falsas.

Neste sentido, o mesmo propôs dotar as redacções com profissionais com outras valências, nomeadamente arquivistas, juristas, programadores de base de dados, entre outros, para apoiarem os jornalistas nas suas tarefas.

Por outro lado, defendeu a necessidade de os media tradicionais implementarem programas dedicados ao fack-check e literacia mediática.

O livro está estruturado em forma de pergunta e resposta para facilitar a compreensão dos assuntos abordados, aproveitando para fazer um alerta sobre o comportamento nas redes sociais, onde “circulam muitas fake news”.

NN/Inforpress

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.