Julgamento do ex-técnico da ASA, Armando Gonçalves: Assistente do ofendido pede pena suspensa para o arguido

4/02/2020 15:37 - Modificado em 4/02/2020 15:37
| Comentários fechados em Julgamento do ex-técnico da ASA, Armando Gonçalves: Assistente do ofendido pede pena suspensa para o arguido

O advogado assistente do ofendido, Teófilo Figueiredo, na altura diretor do serviço aeroportuário em São Vicente, justifica este pedido, alegando que desta forma, Armando Gonçalves, arguido do caso, poderá ser coagido a não perturbar ainda mais, Figueiredo e sua família, com ameaças, telefonemas perturbadores, entre outros.

A audiência do julgamento de Armando Gonçalves, que aconteceu esta terça-feira, 04 Fevereiro, no primeiro Juízo Crime do Tribunal da Comarca de São Vicente, onde o arguido responde pelos crimes de honra, calúnia, injuria e ameaças de morte contra o Teófilo Figueiredo e a sua família.

Refere que desde de junho de 2018, Armando Gonçalves, ex-funcionário da ASA, começou a manifestar a intenção, na altura ainda em funções, conforme a acusação, de perturbar o funcionamento normal dos trabalhos, depois de terem sido efetuadas algumas alterações nas chefias intermédias, das quais fazia parte e que acabou por dar como finda a sua comissão de serviço.

Durante o seu interrogatório, Armando Gonçalves confessou parcialmente os factos, afirmando desconhecer os outros. Este alega que outros factos, como mensagens e email com ameaças de morte, apesar de terem sido envidas pelo seu endereço, não foram da sua autoria, defendendo que o telemóvel e a sua conta de email foram hackeados.

Admite ainda, que na altura de alguns actos assumidos, estava com muita raiva, com problemas pessoais e que nunca teve nenhum tipo de problema disciplinar que justificasse o fim da sua comissão de serviço e no calor da revolta cometeu alguns actos reprováveis.

No entanto, continua firme na sua acusação de corrupção contra o antigo director da ASA. É que conforme o assistente João do Rosário, este, para se proteger das ameaças e ter alguma paz, foi obrigado a se demitir da empresa e se aventurar-se no estrangeiro com a família. “Foram feitas várias ameaças a Teófilo Figueiredo nas redes sociais e inclusive chegou a partir o para-brisa traseiro da sua viatura”.

Portanto, este causídico diz que a audiência de julgamento mostra como a “falta de motivação e por tão pouco, alguém se prejudica e prejudica outrem”.

“Acho normal uma nova direcção fazer algumas mudanças nas chefias. E não tem de ser justificado com competência”, afirma João do Rosário, que diz ainda que “deve ter sido uma decisão que não terá sido tomado de ânimo leve e que ninguém por ter problemas com outro o vai punir desta forma”, defendeu.

Na sua alegação Nelson Cruz, diz que o seu cliente assume os factos que reconhece e que devidas as características do ocorrido, o tribunal deve ter em conta tudo isso no momento da sentença.

A sentença está marcada para o dia 10 Fevereiro as 8h30.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.