Luanda Leaks. Documentos põem a descoberto esquemas de Isabel dos Santos

20/01/2020 01:19 - Modificado em 20/01/2020 01:19
| Comentários fechados em Luanda Leaks. Documentos põem a descoberto esquemas de Isabel dos Santos

Milhares de documentos mostram como a empresária usou a Sonangol para criar a sua fortuna.

Foram mais de 715 mil ficheiros analisados pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) e que ajudaram a desconstruir a forma como a fortuna de Isabel dos Santos, a mulher mais rica de África, foi feita com base na exploração do seu país e de esquemas de corrupção.

A investigação que foi levada a cabo por vários órgãos de comunicação social internacionais – como o The Guardian, a BBC e pelo jornal Expresso, em Portugal – e que contou com mais de 120 jornalistas, apurou as centenas de benefícios conseguidos por Isabel dos Santos durante a presidência de José Eduardo dos Santos, seu pai.

Num dos casos expostos na enorme divulgação de dados é revelado um esquema de ocultação que começou a ser montado a seguir à filha do ex-Presidente de Angola ter sido nomeada pelo pai para liderar a petrolífera estatal – Sonangol.

Entre maio e novembro de 2017, no último terço do seu mandato à frente da Sonangol, Isabel dos Santos fez com que a petrolífera estatal angolana transferisse pelo menos 115 milhões de dólares de fundos públicos para uma conta offshore no Dubai. Revela o semanário que essa transferência foi justificada como sendo um pagamento de serviços de consultoria prestados à Sonangol, mas que “as transferências tiveram como destino uma conta bancária de uma companhia offshore, a Matter Business Solutions, controlada pelo principal advogado da empresária angolana, o português Jorge Brito Pereira, sócio da Uría Menéndez, o escritório de Proença de Carvalho”.

O Luanda Leaks resultou de documentos obtidos pela PPLAAF, uma plataforma de proteção de denunciantes em África. A entidade, com sede em Paris, tem como objetivo ajudar a expor práticas criminais.

Pouco depois do caso, apelidado de Luanda Leaks ser revelado, a empresária reagiu à BBC África acusando o atual governo angolano de “um ataque orquestrado (…) movido politicamente e completamente infundado”. Quase de seguida através do Twitter acusou a SIC e o Expresso de “racismo” e “preconceito”.

Por Notícias ao Minuto

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.