São Vicente é das ilhas onde as mulheres sofrem mais violência física durante a gravidez

19/12/2019 00:34 - Modificado em 19/12/2019 00:34
| Comentários fechados em São Vicente é das ilhas onde as mulheres sofrem mais violência física durante a gravidez

Os dados do módulo sobre violência doméstica do III Inquérito Demográfico de Saúde Reprodutiva (IDSR –III), apresentados pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE) dão conta de que São Vicente e Sal são as ilhas onde  as mulheres grávidas sofrem mais violência física durante a gravidez, principalmente por parte dos ex-parceiros.

Mesmo com a diminuição da proporção das mulheres vítimas de violência física em Cabo Verde em 10 pontos percentuais (p.p.) de 2005 a 2018, ainda uma em cada 10 mulheres sofrem dessa violência dos homens contra mulheres.

De acordo com os dados divulgados, a maioria das mulheres vítimas da Violência Baseada no Género (VBG), são separadas ou viúvas, com empregos remunerados, ensino básico e que os ex-parceiros são os que mais agridem as ex-companheiras.

A amostra do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), dá conta de que os agressores que violentam fisicamente grávidas estão principalmente na ilha do Sal e São Vicente, mas que a proporção de mulheres vítimas da VBG desceu neste período de 21 para 11%.

O inquérito destaca ainda a percentagem de mulheres de 15-49 anos vítimas de violência física durante a gravidez e, segundo os dados são mulheres divorciadas/separadas ou viúvas, com nível de escolaridade básico e que estão, maioritariamente, e novamente, nas ilhas do Sal e São Vicente.

No que se refere à atitude de controlo da mulher por parte do marido, de acordo com a mesma fonte, 69,8% das entrevistadas declararam que o marido/parceiro não aceita que ela conviva com suas amigas e 46,4% insiste que a mulher lhe diga a todo tempo para onde vai ou onde está.

O estudo aponta também que 53% das vítimas de agressão nunca procurou ajuda e nunca falou a alguém sobre essa situação.

No total foram entrevistadas entre Fevereiro de 2017 e Fevereiro deste ano, 2.355 mulheres entre 15 e 49 anos de idade selecionadas aleatoriamente em metade dos agregados contemplados, onde o ex-marido ou ex-parceiro surge como agressor típico.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.