Centenas de crianças e adolescentes desfilaram nas ruas do Mindelo comemorando os 30 anos da Convenção dos Direitos das Crianças

20/11/2019 00:42 - Modificado em 20/11/2019 00:42

Em comemoração do compromisso de defender as crianças e adolescentes adoptado pela ONU, realizou-se na tarde desta terça-feira, em Mindelo, uma marcha organizada pelo gabinete do ICCA na ilha, em parceria com o Ministério da Educação, através da delegação escolar de São Vicente, envolvendo cerca de 700 crianças e adolescentes do 5º ao 10º ano de escolaridade de todos os pólos de ensino da ilha.

Aprovado a 20 de Novembro de 1989 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, a Convenção dos Direitos da Criança (CDC) é um marco fundamental na garantia dos direitos de crianças e adolescentes e que não passou despercebida em São Vicente, onde centenas de crianças e adolescentes, empunhando cartazes com várias mensagens, saíram para as ruas do centro da cidade do Mindelo. 

Para o responsável local do Instituto Cabo-verdiano da Criança e Adolescentes (ICCA) no Mindelo, Jandir Oliveira, o principal objetivo da marcha em São Vicente era mostrar à população, às crianças e aos adolescentes os diretos que estão consagrados nesta convenção e também os princípios que a regem. O mesmo garante que os alunos que saíram às ruas estiveram a trabalhar a temática dos diretos das crianças e por isso foram os escolhidos para levar para as ruas as mensagens que marcam os direitos das crianças.

“Esta data é muito importante porque é um marco que fez com que muita coisa andasse para a frente relativamente aos direitos das crianças, principalmente em Cabo Verde. Nestes trinta anos tivemos muitos ganhos e podemos ver isso na questão da redução da mortalidade infantil, o acesso quase universal à educação, o acesso à saúde, e o registo das crianças, tanto que hoje em dia em São Vicente quase que não existem crianças por registar” sustentou.

No entanto, Jandir Oliveira apontou o Estatuto da Criança e do Adolescente que entrou em vigor em 2013, como outro marco importante para o resguardo dos direitos das crianças.

Nestes 30 anos em Cabo Verde, o mesmo garantiu que têm registado algumas situações de violações dos direitos das crianças, mas também registamos “muitos ganhos”. Ainda existem desafios e nisso basta vermos a questão da violência sexual que é uma preocupação que temos e continuaremos a trabalhar no sentido de diminuir e trabalhar principalmente na sensibilização, para que possamos ter mais denúncias” declarou o responsável do ICCA em São Vicente.

Ainda apontou questões da responsabilidade parental e do castigo corporal que é muito vincado na sociedade na nossa forma de educar, como situações que precisam ser bem trabalhadas.

Jandir Oliveira acescentou que o ICCA tem desempenhado o seu papel não só na promoção dos direitos, mas também na sua defesa, destacando o papel que as outras organizações da sociedade civil têm tido juntamente com o ICCA ao longo destes 30 anos, para preservar os direitos das crianças e adolescentes.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.