“Contos negreiros do Brasil” prepara-se para subir ao palco do Mindelact na quarta-feira

12/11/2019 00:44 - Modificado em 12/11/2019 00:44

Em cartaz no Brasil desde Maio de 2017, a peça “Contos negreiros do Brasil” prepara-se para se estrear esta quarta-feira, 13, no Mindelact 2019, de acordo com os membros, é uma adaptação do livro “Contos negreiros”, do pernambucano Marcelino Freire, publicado em 2005.

Conforme os membros do grupo teatral o livro “Contos Negreiros” foi o vencedor do Prêmio Jabuti em 2006, e que o espetáculo que já foi visto por cerca de 60 mil pessoas trata, sem rodeios, de preconceito.

O espetáculo que será apresentado pela primeira vez em África, interpretado por Marcelo Dias, Aline Borges, Rodrigo França e Valéria Monã, fala, segundo os atores numa conferência de imprensa realizada esta segunda-feira em Mindelo, sobre um estudante, um gay, um menor infrator, uma prostituta e uma idosa. Todos têm em comum a cor da pele. São todos negros. O texto de Marcelino Freire desconstrói o mito da democracia racial e mostra a realidade enfrentada pela população negra no Brasil.

De acordo com o sociólogo e filósofo Rodrigo França trazem vida a corpos objetificados, marginalizados, silenciados e hiperssexualizados. O espetáculo une essa estrutura literária com uma pesquisa em números estatísticos sobre o racismo, sendo que é uma forma de desmontar o mito da democracia racial brasileira.

“É um espetáculo importante no cenário internacional, que mostra que ainda há muita desigualdade social no Brasil e no mundo. É um espetáculo de denúncia, principalmente neste século. Fala sobre a violência obstétrica que acontece nas Américas, principalmente no Brasil, onde a mulher negra tem um salário baixa, entre outras causas sociais” explanou.

Este conto, reforça o mesmo, foi feito para chamar atenção para uma perspectiva de resolução daquilo que são os problemas e como podem ser resolvidos. “É um espetáculo que não traz soluções mas sim reflexões de uma realidade bem escondida”.

Pela primeira vez numa apresentação em África, Rodrigo França sustenta que o espetáculo vai ser “muito emocionante”, porque vão estar a apresentar uma história que tem ligações diretas ao que acontece no Brasil.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.