San Gwann regista primeiros constrangimentos nas linhas marítimas

6/11/2019 14:25 - Modificado em 6/11/2019 15:10

O navio San Gwann, alugado pela CV Interilhas para ligar seis ilhas do arquipélago, encontra-se atracado no caís de cabotagem no Porto Grande após uma pequena avaria e não vai efectuar as operações previstas para hoje. Também a redução da dimensão da rampa da turbina do navio San Gwann não permite a esse navio atracar nas rampas dos portos das ilhas do Sal, Boa Vista e Santiago.

O San Gwann, de acordo com informações apuradas pelo NN, sofreu uma pequena avaria num dos motores o que fez com que suspendesse as viagens programadas para hoje. No entanto, uma situação já resolvida pela CV Interilhas, que aponta o estado do tempo como a causa principal para que as viagens fossem suspensas nas linhas marítimas São Vicente-São Nicolau, seguindo depois para a Boa Vista e Sal.

Um facto que também está a gerar constrangimentos nos utentes, prende-se com o facto de o navio, nesta fase, estar a transportar apenas passageiros, por causa das rampas dos portos nacionais estarem ajustados aos ferrys já existentes nas linhas marítimas, deixando em terra veículos e carga de grandes dimensões.

Sobre isso, conforme dados recolhidos, a empresa procederá a construção de rampas móveis para fazer os ajustes necessários, ficando o problema resolvido dentro de uma semana. Até que seja resolvida esta situação, o navio Interilhas que quinzenalmente faz as ligações com São Nicolau vai transportar as cargas.

Este navio relembra-se, chegou a Cabo Verde alugado em regime de time charter por um período de três meses e tem capacidade para transportar mais de 400 passageiros e 20 veículos ligeiros.

Já no caso da nova embarcação que está a ser construída na Correia do Sul, a empresa avança que está sendo construído de acordo com as rampas do cais das linhas marítimas que irá abarcar, neste caso  São Vicente/Porto Novo.

Modificado às 15.10

  1. Brito

    Pelo que constatei, a rampa do San Gwann, e maior que as rampas do Kriola e Liberdadi.
    As rampas nos portos, são ajustáveis. Portanto contem outra estória. Agora como se trata de um navio de alta velocidade, ainda não ouvi ninguém falar do consumo de combustível, num país em que um litro de gasóleo, custa os olhos da cara.
    Os estudiosos deste país mais uma vez deram um pontapé para canto.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.