Tribunal de São Vicente condena pedófilo de Salamansa a 25 anos de prisão

4/11/2019 11:27 - Modificado em 4/11/2019 11:27
| Comentários fechados em Tribunal de São Vicente condena pedófilo de Salamansa a 25 anos de prisão

 O Primeiro Juízo Crime do Tribunal da Comarca de São Vicente condenou esta segunda-feira, a 25 anos de prisão o homem acusado de abusar sexualmente cinco crianças na sua residência, na localidade de Salamansa. O homem terá violado quatro crianças e tentado violar outra. As vítimas têm idades compreendidas entre os 9 e os 12 anos.

No final da audiência da leitura da sentença, abordado pela imprensa, a defesa de Armindo, mais conhecido por “Tchole”, diz que vai avançar com recurso da sentença, tendo em conta que os factos, referindo-se aos exames ginecológicos, não mostraram nenhuma evidência de penetração. Apenas um dos casos mostrou alguns indícios. “Que fosse condenado, onde houvesse prova irrefutável e ilibado nos outros casos”, destaca o causídico, que considerou a pena pesada.

O individuo foi condenado por crimes de abuso sexual de criança. Sendo quatro crimes de abuso sexual na forma consumada e uma tentativa de violação. Os crimes eram cometidos na casa do suspeito, local que as vítimas frequentavam, para brincarem com sua neta.

O Juiz Antero Tavares considerou que os factos foram provados no tribunal e que o arguido aproveitava da ausência dos familiares para, na sua residência, abusar das menores. Dos casos citados, as vítimas eram levadas a força para o quarto, onde o individuo de 53 anos, “as colocava de frente a si, tirava-lhes as cuecas e tapava as suas bocas para não gritarem”.

“O agressor segurava as vítimas pelos braços e as levava para o seu quarto, local onde praticava aqueles abusos, e no final as ameaça de morte para não contarem nada a ninguém sobre o sucedido”, citou o juiz, que justificando, com base nas afirmações das menores que “usou a sua força física e deparou-se com a resistência das menores e, não obstante, manteve-se indiferente aos seus apelos”.

A maioria dos abusos terá sido consumado na casa do arguido, mas há também registo de um caso ocorrido na capela de Salamansa.

O indivíduo é membro da comunidade católica da vila e alguns actos terão sido cometidos nas dependências da capela aí existente, local onde uma das meninas terá sido atraída para ajudar na limpeza do espaço.

O Magistrado considerou que não existe incoerência nas declarações das menores e que as suas afirmações não mostraram sinal de invenção. E que o próprio arguido assegurou que nunca teve nenhum tipo que problemas com elas. O que poderia justificar invenções.

Por isso considera-o culpado pelos crimes de abuso sexual de menores, apelidando-o de “predador sexual”.

O tribunal ponderou o “vínculo de amizade e confiança” que ligava o arguido às menores, sendo que elas eram vizinhas e amigas das suas “netas”.

Todos estes fatores levaram o tribunal a condenar o arguido a 25 anos de prisão no acumulado geral das penas.

O arguido foi detido em Abril deste ano, 2019, pela Polícia Judiciária (PJ), após uma investigação que teve origem na denúncia de uma das vítimas.

Elvis Carvalho

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.