Fernando Elísio Freire: “Universidade Técnica do Atlântico do Mindelo será uma realidade no ano lectivo 2020/21”

16/10/2019 14:12 - Modificado em 16/10/2019 14:13
| Comentários fechados em Fernando Elísio Freire: “Universidade Técnica do Atlântico do Mindelo será uma realidade no ano lectivo 2020/21”

O ministro dos Assuntos Parlamentares e da Presidência do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, assegurou que o projeto-lei que cria a Universidade Técnica do Atlântico do Mindelo e os respetivos estatutos, aprovados ontem em Conselho de Ministros, têm como objetivo desenvolver um sistema educativo “capaz de proporcionar o saber e conhecimentos necessários para a economia e a formação integral de uma verdadeira economia marítima na região norte do país”.

Conforme o ministro, esta visão do Governo tem a ver com a criação da Zona Economia Especial da Economia Marítima, com sede em São Vicente e que abarca uma parte do ensino superior de formação profissional de investigação.

Caberá à Universidade Técnica do Atlântico, segundo Fernando Elísio Freire, desenvolver um sistema educativo “capaz de proporcionar o saber e conhecimentos necessários à economia e a formação integral de uma verdadeira economia marítima na região norte do país”.

“Reorganizar o Ensino Superior e autonomizar a Universidade Técnica do Atlântico, ou seja, será praticamente uma nova Universidade que terá a sua propriá Reitoria, e o Governo pensa até Dezembro criar a comissão instaladora da Universidade Técnica do Atlântico, na ilha de São Vicente” reforçou o ministro.

De acordo com o mesmo, esta Universidade terá quatro Unidades Técnicas Orgânicas. A primeira direcionada para o Ensino Superior de Ciências e Tecnologias Agrárias. Uma unidade orgânica que estará ligada à Indústria Aeronáutica e do Turismo. Uma outra unidade Orgânica que estará ligada à Arte e Cultura. Por fim, uma Unidade Orgânica ligada às Engenharias e Ciência do Mar.

“Estas Unidades Orgânicas é que darão corpo à estratégia do Governo de autonomizar uma Universidade Técnica Atlântica nesta região de Cabo Verde, permitindo que Cabo Verde tenha dois centros do saber que nos permitirá melhorar ainda mais o nosso sistema educativo e preparar o país para ser mais competitivo e com estudantes e cabo-verdianos cada vez mais bem preparados” aclarou.

Freire assegurou que o Conselho de Ministros também determinou a transferência do património que neste momento está afeto à Faculdade de Engenharias e Ciências do Mar da Universidade de Cabo Verde, bem como a universalidade dos direitos e obrigações dessa Faculdade, para a Universidade do Atlântico e a Escola do Mar.

Neste âmbito, o ministro diz acreditar que no ano letivo 2020/21 a Universidade Técnica do Atlântico já será uma realidade, principalmente na parte que já está relativamente consolidada que é a parte das Ciências do Mar. “O Governo acha que deve reforçar a autonomia e reforçar a presença do ensino superior nesta região do país e permitir que este ensino superior esteja ao serviço de tudo aquilo que é a vocação desta região, que é nas Ciências Agrárias, Turismo, Aeronáutica, Ciências do Mar, Arte e Cultura. Iremos construir esta visão com a Universidade do Atlântico” rematou.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.