Dia Nacional da Cultura e das Comunidades celebrado sob o lema “Eu_génio: do legado à ficção”

10/10/2019 00:49 - Modificado em 10/10/2019 00:49
| Comentários fechados em Dia Nacional da Cultura e das Comunidades celebrado sob o lema “Eu_génio: do legado à ficção”

Comemora-se no dia 18 de Outubro o Dia Nacional da Cultura, sob o lema “Eu­_génio: do legado à ficção”.

O Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas (MCIC) convida os “fazedores da cultura e toda a população cabo-verdiana e da diáspora a, juntos, celebrarmos “EM REDE”, no dia 18 de outubro, o Dia Nacional da Cultura e das Comunidades – “Eu_génio: do legado à ficção”.

O Dia Nacional da Cultura que há 3 anos adotou o lema “Cultura no Coração das Ilhas”, propõe para este ano de 2019 um enredo à volta de Eugénio Tavares. 152 anos sob a data do seu nascimento, há muito ainda para descobrir e redescobrir sobre Eugénio Tavares.

Flam poesia, dança, teatro, música, conversas, tertúlias, serenata em rede, concerto musical, exposição, feira do livro, vão povoar as nossas ilhas de Santo Antão à Brava e ainda habitar a nossa 11ª ilha – a diáspora.

Nesta temática, o MCIC propõe-se uma viagem criativa a partir do legado ficcionado de Eugénio Tavares, abordados em quatro fases de sua vida: Berço – a infância e adolescência; Viagem – juventude; Aguada – velhice e Ficção – Eu_génio.

De Santo Antão à Brava, o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas (MCIC) chama a todos que invoquem Eugénio Tavares, expoente máximo do Dia Nacional da Cultura, mas também a todos os homens e mulheres da nossa cultura.

Tendo em conta este “vasto tecido, legado de Eugénio Tavares – patrono do Dia Nacional da Cultura – convida à comemoração do dia 18 de outubro a partir da ficção deste homem das ilhas que aos 12 anos conquistou a ilha Brava, a sua ilha natal, pela poesia e aos 15 anos é notícia no “Almanaque de Lembranças Luso-Brasileiro”. Tornou-se forçoso que este talento conhecesse outras realidades. São Vicente, “ilha de população flutuante”, foi a primeira a acolhê-lo.

Nesta ilha o jovem poeta dilata a sua perceção do mundo e, em Santiago – a sua segunda paragem – contacta com um “caldeirão de cultura e tradições”, realidade indispensável à sua formação. A partir desta base, Eugénio se inscreve na história das ilhas, destacando-se na morna, poesia, prosa, dramaturgia, jornalismo, política…

Conjugando o ancestral com o novo, o passado com o futuro, convidamos Cabo Verde ao prazer estético. Poesia e prosa, música, teatro, dança, cinema, artes e deleites rumam ao mundo novo, em germinação à nossa volta. Entregues às novas mãos e sensibilidades, novas estéticas e olhares – laboratório da contemporaneidade.

A mundividência dos tempos clama por novas abordagens ao nosso legado literário, e quiça, cultural neste manancial por explorar, neste potencial a ser despoletado, revelado, emergido.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.