Diretora-geral do FMI aponta desaceleração do crescimento mundial

9/10/2019 00:44 - Modificado em 9/10/2019 00:44
| Comentários fechados em Diretora-geral do FMI aponta desaceleração do crescimento mundial

O crescimento mundial encontra-se numa “desaceleração sincronizada”, devido essencialmente à tensão comercial, o que pode levar a um corte na expansão de 0,8% até 2020, afirmou hoje Kristalina Georgieva, nova diretora-geral do FMI.

Georgieva, que assumiu o cargo há uma semana, disse que na próxima terça-feira o FMI vai divulgar previsões de crescimento para 2019 e 2020 revistas em baixa.

“Em 2019 esperamos um crescimento mais lento em perto de 90% do mundo”, afirmou a diretora-geral, num discurso proferido antes das reuniões de outono do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial.

Segundo Georgieva, “o crescimento vai cair este ano para o nível mais baixo desde o início da década”.

O presidente norte-americano, Donald Trump, lançou há cerca de ano e meio uma guerra comercial contra a China para pôr fim a práticas comerciais consideradas “desleais”.

O conflito, que tem levado à imposição de sucessivas taxas alfandegárias punitivas a uma vasta lista de produtos, afetou consideravelmente o comércio internacional, não apenas entre os dois países, mas no mundo inteiro.

“O crescimento do comércio mundial está quase em ponto morto”, indicou Georgieva.

Numa altura em que a administração Trump ameaça aplicar novas taxas a outros parceiros, como a União Europeia (UE), a confiança dos investidores tem recuado.

O Produto Interno Bruto (PIB) mundial pode ser cortado em cerca de 0,8% (uma perda de cerca de 700 mil milhões de dólares) até 2020 quando em julho se antecipava um recuo de 0,5%. “É o equivalente à economia da Suíça”, afirmou Georgieva.

A diretora-geral do FMI exortou os países a trabalharem em conjunto “agora” para encontrar uma “solução duradoura”, uma vez que a incerteza causa sobressaltos nos mercados financeiros.

Georgieva incitou também os países com margem orçamental a agirem, contribuindo para estimular a procura e o crescimento e citou a Alemanha, a Holanda e a Coreia do Sul.

Além do comércio, o difícil processo de saída do Reino Unido da UE (‘Brexit’) e o nível de endividamento das empresas constituem outras sérias ameaças à economia mundial.

Em alguns países, as empresas aproveitaram as taxas de juro baixas para contraírem dívidas e financiarem fusões ou aquisições em vez de apostarem no investimento, observou o FMI.

Georgieva pediu também que se passe à ação para lutar contra as alterações climáticas: “é uma crise onde ninguém está a salvo e cada um tem a responsabilidade de agir”.

Neste domínio, a economista fez referência a um novo estudo do FMI que mostra que as taxas sobre o carbono são “instrumentos poderosos e eficazes” para combater as mudanças climáticas, mas devem ser acompanhados por reduções de impostos e incentivos para investir em infraestruturas limpas.

Por Lusa

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.