Boa Vista: BinterCV em julgamento por alegada omissão de auxílio em processo de evacuação

8/10/2019 01:00 - Modificado em 8/10/2019 01:00
| Comentários fechados em Boa Vista: BinterCV em julgamento por alegada omissão de auxílio em processo de evacuação

Começou esta segunda-feira, 07, no Tribunal da Comarca da Boa Vista, o julgamento em que a Binter CV é arguida, por alegada omissão de auxílio, relacionado com a não evacuação, para a cidade da Praia, de um paciente baleado.

A atual Transportadora Inter-Ilhas de Cabo Verde, vem acusada de ter recusado transportar de urgência, para o Hospital Central da Praia,um paciente baleado no abdómen, em Maio do ano passado, no bairro de Boa Esperança, em Sal-Rei. Um crime caracterizado como sendo de “omissão de auxílio”. A transportadora aérea tem dois processos a correr no Tribunal da Boa Vista, mas este julgamento diz respeito apenas a um dos casos.

O jovem Nasolino Pereira (Nasú), recorde-se, foi para o aeroporto, mas não lhe foi permitido viajar porque, conforme na altura alegou a Binter, o documento médico não se encontrava devidamente preenchido. O jovem, devido ao seu quadro clínico crítico,viria a ser evacuado de urgência, numa embarcação de boca aberta, para o hospital da ilha do Sal.

Os advogados da transportadora aérea ainda tentaram, no passado mês de Abril, uma Audiência Contraditória Preliminar (ACP) para evitar o julgamento, mas tal não teve provimento. Assim, a Transportes Inter-Ilhas de Cabo Verde acaba por se sentar no banco dos réus no julgamento que começou esta segunda-feira, 07 e decorrerá até quarta-feira, 09.

Conforme o site Boa Vista no Ar,serão ouvidos vários intervenientes no processo como médicos, incluindo Mirian Delgado, que na altura exercia a função de delegada de Saúde na Boa Vista, pilotos, comandante de voo, assistentes de bordo e a própria vítima.

A mesma fonte afirma que a Binter solicitou outra ACP – ainda sem data marcada – relacionada com a morte de uma jovem da Boa Vista, de 30 anos, que também foi evacuada de barco, em péssimas condições, para a ilha do Sal, depois da alegada recusa da companhia aérea Binter de transportar a doente, que acabaria por falecer.

Neste segundo processo, a companhia aérea Binter e uma colaboradora da empresa foram imputados, em coautoria material e na forma consumada o crime de impedimento à prestação de socorro em concurso real efetivo e de omissão de auxílio.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.