Presidente do PAICV diz que comunidade cabo-verdiana nos EUA está ciente da desgovernação do país nos últimos 3 anos e meio

2/10/2019 15:07 - Modificado em 2/10/2019 15:07

De regresso ao país, após visita à comunidade cabo-verdiana nos Estados Unidos da América, a presidente do Partido Africano de Independência de Cabo Verde (PAICV) diz que ficou evidente que os cabo-verdianos nos EUA estão a seguir, com muita atenção, a situação do país e estão cientes das dificuldades por que passam os cabo-verdianos face à governação sem resultados, nos últimos três anos e meio.

Janira Hopffer Almada salienta que é convicção da comunidade cabo-verdiana radicada naquele país que os principais compromissos de campanha da atual maioria não foram e nem serão cumpridos, depois de três anos e meio de mandato e com quatro Orçamentos de Estado já aprovados.

Portanto, considera que os emigrantes já não esperam, “porque já sentiram que isso não vai acontecer, infelizmente – que o Governo do MPD crie 45 mil empregos dignos, que promova o aumento de financiamento para as empresas, que aumente o rendimento das famílias, que apresente a sua “solução” para Chã das Caldeiras ou que resolva o problema da insegurança, que se tem complexificado com fenómenos novos para os quais o Governo ainda não tem qualquer resposta”.

Aponta ainda situações que considera mais grave, a “intransparência e a inconsistência da governação desta maioria do MpD, na gestão dos bens de todos os cabo-verdianos, e que podem comprometer o futuro coletivo de todos nós, como tem acontecido com a forma como se tem feito as privatizações e a gestão dos terrenos públicos, particularmente na Praia, em São Vicente, na Boa Vista e no Sal”.

Outras questões, conforme a líder do PAICV, prendem-se com a situação “caótica dos Transportes Aéreos”, a desorganização a nível dos Transportes Marítimos, a complexificação da criminalidade, com aumento dos níveis de insegurança, os recuos no Sector da saúde, em que as evacuações são um a verdadeira “dor de cabeça”, passando pela educação e as dificuldades criadas a cabo-verdianos que não tenham passaporte cabo-verdiano, na sua entrada no país, “quando o Governo concedeu isenção de vistos para cidadãos da União Europeia e do Reino Unido, para além da Taxa de Segurança Aeroportuária, que foi aumentada por este Governo”.

Durante a sua estadia, para além de encontros com as comunidades, em Brockton, Boston e Rhode Island, JHA reuniu-se com o Mayor de Brockton, Moisés Rodrigues, encontrou-se com o candidato a Mayor de Brockton, Jimmy Pereira, foi recebida em UMASS AMHESRT, onde se encontrou com os Jovens Estudantes Cabo-verdianos, para além de visitar vários investimentos de cabo-verdianos naquelas cidades.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.