José Carlos da Luz desmente Alcides Graça sobre a situação dos bombeiros

8/08/2019 14:04 - Modificado em 8/08/2019 16:34
| Comentários fechados em José Carlos da Luz desmente Alcides Graça sobre a situação dos bombeiros

A Câmara Municipal de São Vicente, através do vereador responsável pela Proteção Civil, José Carlos da Luz, em reacção às declarações do Presidente do PAICV em São Vicente, desmente as afirmações feitas por Alcides Graça, assegurando que neste momento a corporação dos Bombeiros Municipais, está dotada de equipamentos e que no próximo orçamento será estipulado a contratação de mais bombeiros efetivos.

E que ao falar de “situação degradante”, não leva em conta a aprovação do regulamento interno, a qual foi duplicado o salário, instituído o subsídio de turno de 20%, subsídio de risco e ainda gratificações do trabalho prestado na ENAPOR, sem contar com as refeições.

Na última quarta-feira, 07, o presidente da Comissão Política Regional do PAICV, em São Vicente, Alcides Graça, classificou de “degradante” as condições de trabalho dos bombeiros municipais e destacou a falta de materiais na corporação e exigiu a contratação faseada de mais treze bombeiros profissionais. 

José Carlos da Luz, em conferência de imprensa, no Mindelo, considera que o presidente da Comissão Política Regional do PAICV em São Vicente, Alcides Graça, “na ânsia de fazer política e não procurando informações concretas e tentando mostrar serviço à sua chefe, de forma que possa ser indigitado a ser candidato às eleições autárquicas de 2020, fez um trabalho de desinformação”.

José da Luz acusa o presidente do PAICV na ilha de estar a mentir sobre a visita que alegadamente fez ao quartel dos bombeiros em São Vicente. É que segundo este responsável “o comandante dos bombeiros que coordena o quartel e recebe qualquer entidade salientou que em algum momento recebeu Alcides Graça”.

Portanto, acusa Alcides Graças de se posicionar sobre um assunto com total desconhecimento. Em relação aos números de pessoal, o vereador do pelouro da proteção civil diz que atualmente existem 21 bombeiros efetivos e 15 voluntários.

Adianta que a insuficiência de efetivos a que foi feita referência, prende-se ao facto de nos últimos dias se ter verificado a baixa de seis elementos. Um aposentou-se por incapacidade e cinco foram retirados do serviço de turno por indicação médica, ficando apenas a fazer trabalho não operativo. “Situação que a Câmara não pode controlar e que leva o seu tempo para se resolver”.

Quanto os cinco elementos destacados ao serviço da ASA, assegura que dentro de curto período estes bombeiros vão regressar ao comando, resolvendo a questão dos efetivos.

Sobre a falta de equipamento, deita a culpa no anterior governo, que diz não ter feito investimentos concretos ao longo de 15 anos de governação e contrariamente, logo após as eleições de 2016, “este governo respondeu positivamente com duas viaturas zero quilómetros de combate a incêndios totalmente equipados e mais um conjunto de equipamentos”. E ainda quatro ambulâncias totalmente operacionais a funcionar no quartel dos bombeiros. “Caso tivesse visitado o quartel, não teria metido os pés pelas mãos, porque este governo é de trabalho e não de propaganda” conclui.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.