Cinco crianças foram impedidas de viajar de Santo Antão para São Vicente por não se encontrarem devidamente identificadas

2/07/2019 23:43 - Modificado em 2/07/2019 23:43

Na sequência das medidas adotadas sob proposta pela Delegação do Instituto de Crianças e Adolescentes (ICCA) do Porto Novo, sobre a implementação do controlo da entrada e saída de crianças e adolescentes no cais do Porto Novo, nesta terça-feira, 02 de julho, pelo menos cinco crianças foram impedidas de viajar por não se encontrarem devidamente identificadas e por falta de credenciais que autorizasse terceiros a acompanharem estas crianças.

A informação foi avançada à Radio Pública, pela delegada do ICCA em Santo Antão, Earsénia Nico, que diz que a medida que entrou em vigor desde segunda-feira, 01 de julho, para reforçar o controlo de entrada e saída de crianças e adolescentes do Porto Novo, onde acontece diariamente um grande fluxo de passageiros. Tal medida é necessária para proteger as crianças de eventuais desaparecimentos ou de outras fragilidades que inquietam a sociedade.

“É uma medida que tivemos a necessidade que fosse tomada, porque deparamos que as crianças para viajarem para São Vicente e vice-versa não havia nenhum controlo. Crianças que não pagavam bilhetes e não constavam na lista de passageiros. Tivemos casos de crianças em Santo Antão que viajaram para São Vicente, e na sequência os pais a nos procurarem a informar-nos de que as suas crianças estavam desaparecidas” sustenta a delegada do ICCA, que assegura que o mesmo já aconteceu no trajeto São Vicente/Santo Antão.

Esta responsável entende que esta medida serve como proteção e prevenção para futuros casos de desaparecimentos de crianças, ou mesmo acidentes.

De realçar que a aquisição das passagens e viagens por parte dos menores de idade, é feita agora mediante a apresentação do bilhete de identidade, passaporte ou cédula pessoal. Já para os menores de 14 anos de idade, a estes só será permitido viajar se estiverem acompanhados pelos pais, ou por um deles, ou de outra pessoa devidamente credenciada.

  1. Viajante

    Bom dia
    Qualquer medida do tipo precisa ser legislado e publicado no B.O. E não por a ICCA achar, certas medidas serão tomadas.
    Sou a favor de um controlo mais serio na compra de passagens, e um crosscheck entre o Documento válido para viagens marítimas ( a ser tb legislado) e o nome correspondente no bilhete de passagem, isto para que em caso de acidentes/incidentes terem a certeza que quem realmente encontravam ou encontram-se no referido navio.
    Muitos passageiros viagem com nomes que não correspondam….

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.