São Vicente: ICCA promove acção de capacitação dos professores sobre Abuso Sexual de crianças e adolescentes

5/06/2019 01:32 - Modificado em 5/06/2019 01:32
| Comentários fechados em São Vicente: ICCA promove acção de capacitação dos professores sobre Abuso Sexual de crianças e adolescentes

Enquadrado no dia internacional da criança inocente vítima de agressão, e dia nacional de combate ao abuso e exploração sexual, 04 Junho, o Instituto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente – ICCA promoveu uma acção de capacitação dos professores sobre o abuso sexual de crianças e adolescentes.

Segundo Iria Monteiro, Psicóloga do ICCA, o intuito de promover a actividade foi o de capacitar os professores na identificação dos sinais do abuso e da exploração sexual. Por outro lado, transmitir uma mensagem para que os professores e a escola tenham consciência da importância dos seus papéis na prevenção do abuso e exploração sexual de menores, e dar-lhes a conhecer sobre o circuito de denúncia dos casos de abuso sexual.

“Sendo um espaço em que as crianças passam maior parte do tempo, a escola tem um papel importante e preponderante, no combate e na prevenção do abuso e exploração sexual da criança e do adolescente, porque a escola é um espaço, não só transmissora de conhecimentos mas também um espaço onde temos seres humanos que lidam com sentimentos, afectos e emoções”, explica Iria Monteiro.

 Por isso, defende que os professores devem estar capacitados em relação a  diversas áreas e muitas vezes desempenham vários papéis como, desde enfermeiros passando por bombeiros, a psicólogos. Neste último, saber qual a abordagem que deve ser feita com alunos em situação de abuso. “Há que saber como agir nestas situações. Porque as crianças apresentam vários sinais, muitas vezes são agressivas, mas no fundo são crianças vítimas de abuso sexual que estão apenas a projetar os comportamentos de diversas maneiras”. 

Inês Rodrigues, professora do segundo ciclo da escola Arnaldo Medina, diz que as crianças nas escolas apresentam vários sinais, que costumam passar despercebidas, porque são interpretados da forma errada e que as escolas deviam ter um espaço e um profissional especializado nessa área como forma a dar uma melhor atenção a essas crianças.

A professora ainda diz que as visitas domiciliares são muito importantes nesses casos, porque permitem obter mais conhecimentos acerca das famílias das crianças, do ambiente que as rodeia e seus comportamentos fora do ambiente escolar.

Essa capacitação decorreu no Centro Juvenil Nhô Djunga, dividida em duas partes, uma parte no período de manha e a outra no período da tarde.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.