Jovem epiléptica em risco de perder o braço pede ajuda para tratamento fora do país

31/05/2019 00:52 - Modificado em 31/05/2019 16:10

A sofrer de epilepsia há vários anos, Maria Ribeiro Barbosa, de apenas 21 anos, viu a sua saúde começar a complicar ainda mais quando começou a sentir fortes dores no braço esquerdo.

De acordo com a jovem que reside em Monte Sossego, o seu braço desloca-se do lugar sozinho e depois de várias consultas, os médicos alertaram-na sobre a necessidade de ser operada. No entanto, conta que foi alertada das possibilidades de perder o braço, caso tenha algum ataque de epilepsia durante o procedimento cirúrgico, que consiste na colocação de um parafuso.

Uma possibilidade que deixa a jovem apreensiva. Tendo em conta a situação por que passa neste momento, tem estado à procura de ajuda para que possa ser evacuada para Portugal ou Dakar, já que segundo a mesma, possui informações de que ali possa encontrar um tratamento específico para a sua condição recente.

“Por isso estou a pedir ajuda para fazer a intervenção cirúrgica, ficar boa e em condições de cuidar da minha filha, porque o meu maior medo é de não poder cuidar de dela”.

Com uma filha recém-nascida e a viver às expensas da mãe, conta que nada tem sido fácil. As complicações com o braço começaram quando há cinco meses teve a sua filha – , e com a epilepsia fica ainda mais complicado trabalhar e cuidar da filha.

“Estou a passar por um momento em que não posso fazer nada, não posso cuidar de minha filha, das tarefas de casa, sequer posso trabalhar porque o meu braço não permite e as pessoas não me dão trabalho devido a minha condição de epiléptica, pois  temem que possa ter algum ataque no local de trabalho”.

Actualmente, a doença [epilepsia] está controlada com a toma de medicamentos. Mas, apesar de estar medicada, costuma, ocasionalmente, ter ataques epilépticos. 

Maria solicita apoio para poder se deslocar a Portugal ou Dakar, para procurar especialistas que possam lhe ajudar a ficar boa do problema que lhe afeta o braço.

 Fátima Ribeiro Andrade mãe de Maria Ribeiro Barbosa, já tinha recorrido ao NN em Dezembro de 2016, para pedir ajuda para a realização de uma ressonância magnética na filha, por não ter condições financeiras.

Número de contacto: 5877382

  1. Ezilda Vieira

    Simplesmente trágico. Contudo é necessário haver uma certa responsabilidade pessoal pelos nossos actos.
    Se em Dezembro de 2016 esta jovem já sofria de epilepsia e em estado grave conforme afirma a mãe não se compreende que a mesma se tenha engravidada depois e neste momento com uma filha de 5 meses. Artigos anticoncepcionais são distribuídos, bem assim como informações como evitar a gravidez, gratuitamente, pelos diversos postos do PMI em todas as Ilhas. Aliás as mulheres já sabem que na maior parte das vezes o pai está simplesmente ausente.
    Melhoras e votos que o problema seja o mais depressa resolvido.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.