Líderes das Comunicações Lusófonas debatem em Maputo o sector das Comunicações

30/05/2019 01:43 - Modificado em 30/05/2019 01:43
| Comentários fechados em Líderes das Comunicações Lusófonas debatem em Maputo o sector das Comunicações

Realiza-se nos próximos dias 3 e 4 de junho, em Maputo (Moçambique), no Montebelo Girassol Maputo Hotel, a Assembleia-Geral Anual, e no Radisson Blu Hotel & Residence, Rani Towers, o XXVII Fórum AICEP das Comunicações Lusófonas 2019, organizado pela Associação Internacional das Comunicações de Expressão Portuguesa (“AICEP”), este último com o tema “Visão, Inovação e Ação: É Tempo de Futuro”.

Estes eventos vão reunir Presidentes, CEO’s, Administradores e outros Dirigentes das empresas operadoras de Comunicações (correios e encomendas; telecomunicações e comunicações eletrónicas e conteúdos de televisão e media) e das autoridades reguladoras do setor, membros da AICEP, dos 9 países e territórios de língua oficial portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, GuinéBissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste) que constituem o universo desta importante associação internacional.

O sector das Comunicações desenvolve-se a um ritmo sem precedentes e nunca visto. O peso da economia digital na economia global é cada vez mais significativo, com taxas de crescimento muito relevantes e com uma importância na sociedade cada vez mais central; se as comunicações pararem, o mundo certamente também para. A economia digital é um ecossistema complexo e diversificado, constituído por vários vasos intercomunicantes, devidamente enquadrados por legislação de proteção dos consumidores, nas vertentes da segurança, da proteção de dados e da privacidade:

• O transporte: o mundo das infraestruturas onde correm os dados, as comunicações, os conteúdos e o armazenamento físico e virtual;

• Os dados: tudo o que comunicamos, pesquisamos, transacionamos, constituindo o Big Data;

• Os conteúdos: os que produzimos e os que vemos, seja em distribuição tradicional, seja em streaming;

• Os mercados: dos consumidores, das empresas, das pessoas e dos objetos (Internet das Coisas) e também os mundos verticais; PRESS RELEASE

• Os operadores: os tradicionais, os alternativos, os Over The Top (OTT) e um conjunto de prestadores de serviços de diferentes tipos;

• A fusão do mundo físico e digital: composto pela Inteligência Artificial, Analytics, Relidade Virtual, Robots, Machine Learning, etc. Proporcionando interessantes oportunidades a todos os quantos nela intervêm, a economia digital traz enormes desafios:

• Como podem (devem) os operadores de correios e encomendas adaptar-se ao digital? Como devem encarar o desafio do forte declínio do correio endereçado e aproveitar a oportunidade do crescimento das encomendas provenientes do comércio eletrónico? Quais deverão ser as novas alavancas de crescimento dos operadores de correios e encomendas? Quais os desafios da regulação?

• Como podem os operadores de telecomunicações e comunicações eletrónicas manter ou aumentar as receitas provenientes dos seus pacotes de serviços (3P, 4P, 5P)? Quais as suas novas estratégias para fidelizar os clientes e como diferenciar as suas ofertas? Como gerir a necessidade de aumento do investimento, muitas vezes sem as devidas contrapartidas nas receitas? Qual o balanço ótimo entre as redes fixas, redes móveis e WiFi e, no futuro próximo (já hoje), entre as redes de 5G e as redes de Fibra Ótica?

• Relativamente aos operadores de conteúdos e de media, qual o futuro da TV tradicional? Quais deverão ser as suas novas apostas no vídeo e no streaming?

• E as autoridades reguladoras, devem mudar o seu perímetro de atuação? O que deve continuar a ser regulado, o que deve ser abandonado e quais as novas áreas de regulação? Como podem desempenhar um verdadeiro papel de facilitadores de inovação e desenvolvimento dos setores que regulam? Todo este mundo de acontecimentos desfila à nossa frente com intensidades, impactos e velocidades diferentes, mas tudo convergindo para uma economia digital, com ofertas diversificadas e sofisticadas para os diversos segmentos de mercado. Há que abraçar com confiança o futuro (que já é hoje). Para isso, o XXVII Fórum AICEP das Comunicações Lusófonas 2019, para além das sessões de abertura e de conclusões e encerramento, está organizado em quatro painéis temáticos:

• “Tendências de Evolução: o que temos à nossa frente”;

• “Regulação e Concorrência: apoiar o desenvolvimento e o progresso”;

• “Inovação, Proximidade e Confiança: como os melhores operadores criam valor num mercado em profunda transformação”;

• “Estado e Tendências das Comunicações Lusófonas”. Para fazer parte deste mundo novo com sucesso é preciso visão, inovação e ação.

Com a presença dos líderes dos operadores e das autoridades reguladoras membros da Associação Internacional das Comunicações de Expressão Portuguesa (AICEP), de inúmeros outros participantes e convidados, e de entre estes, de membros do Governo de Moçambique e de representantes diplomáticos dos diversos Países de Expressão Portuguesa representados nesta associação, vão ouvir-se vários especialistas e proceder-se a um intenso trabalho de reflexão e debate sobre temas que não poderiam ser mais oportunos para o setor das Comunicações, constituindo o debate que se irá fazer um contributo essencial para analisar o rumo que deve ser seguido para acompanhar a revolução digital que estamos a assistir e a viver.

Este contributo para a Sociedade das Comunicações e do Digital é uma missão em que a Associação Internacional das Comunicações de Expressão Portuguesa (AICEP) se revê e em que se empenha permanentemente, fazendo da mesma, cada vez mais, agora e no futuro, a parceira natural das Comunicações do Mundo da Lusofonia.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.