Manutenção de empregos é condição para a fusão entre Fiat e Renault

28/05/2019 16:21 - Modificado em 28/05/2019 16:21
| Comentários fechados em Manutenção de empregos é condição para a fusão entre Fiat e Renault

O ministro das Finanças do governo francês afirmou hoje que a fusão entre a Renault e a Fiat Chrysler só vai concretizar-se caso os empregos dos trabalhadores fiquem protegidos.

O canal de rádio da RTL questionou hoje Bruno le Maire sobre as “garantias” do negócio em relação à proteção dos postos de trabalho nas fábricas instaladas em França.

“Primeiro: postos de trabalho e localização das fábricas. Eu disse ao presidente do Conselho de Administração da Renault, Jean-Dominique Senard, de forma muito clara que se tratam das duas garantias que eu quero dele para que o processo negocial tenha inicio”, disse le Maire.

“Garantir a manutenção dos postos de trabalho e as instalações em França”, sublinhou o ministro das Finanças.

A empresa Fiat Chrysler propôs a fusão com a companhia francesa Renault com vista à criação do terceiro maior grupo de fabricantes de automóveis do mundo avaliado em 40 mil milhões de dólares.

O plano prevê a combinação de esforços com vista a desenvolver, nomeadamente, veículos elétricos e carros autónomos (sem condutor).

Até ao momento sabe-se que a fusão das duas empresas prevê uma produção de 8,7 milhões de veículos por ano.

Bruno le Maire disse ainda que a fusão deve incluir a aliança entre a Renault e a Nissan e a garantia de que os interesses franceses “vão ser bem representados” na administração da nova organização que também vai ter como missão desenvolver baterias para carros elétricos, na Europa.

O ministro das Finanças francês frisou que se trata de um “negócio seguro” e que a participação do Estado francês na Renault vai descer de 15% para 7,5%.

Por Lusa

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.