Estivadores italianos protestam pelas cargas de armas para Arábia Saudita

20/05/2019 13:29 - Modificado em 20/05/2019 13:29
| Comentários fechados em Estivadores italianos protestam pelas cargas de armas para Arábia Saudita
Um dos sindicatos que representam os estivadores do porto de Génova e várias associações italianas estão em protesto pela chegada, na noite passada, do barco saudita Bahri-Yanbu que, segundo denunciam, transporta material de guerra com destino à Arábia Saudita.

“Stop ao tráfico de armas. Guerra à guerra”, lia-se num dos cartazes exibidos hoje pelos estivadores, convocados para fazerem greve pelo maior sindicato do país CGIL, como forma de evitar o carregamento do navio.

Os trabalhadores portuários explicaram que não querem ser cúmplices do conflito no Iémen, que vive uma crise humanitária.

Segundo o sindicato, entre os contentores que estão prontos para serem carregados, encontra-se um gerador de energia que serve para alimentar drones usados em operações militares.

Na semana passada, várias organizações não-governamentais (ONG) denunciaram que o navio, que já recolheu várias cargas de material de guerra na Bélgica e em França, tinha atracado no porto de Santander (Espanha), com a intenção de carregar mais armas e munições com destino potencial à guerra do Iémen.

O ministro espanhol dos Assuntos Exteriores em funções – e cabeça-de-lista do PSOE ao Parlamento Europeu -, Josep Borrell, assegurou que o que foi carregado foram “armas não letais destinadas a uma exibição de armamento que terá lugar nos Emirados Árabes Unidos”.

No início do mês, a possibilidade de as armas vendidas por França à Arábia Saudita e aos Emirados Árabes Unidos serem desviadas para o Iémen também provocou protestos, embora o Presidente francês tenha garantido que a situação não aconteceria.

“A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos são aliados da França. E são aliados na luta contra o terrorismo”, afirmou Emmanuel Macron, lembrando que existe uma comissão que gere essas exportações.

Em 2015, Riade tornou-se, de facto, líder de uma coligação militar com os Emirados Árabes Unidos para apoiar o Presidente do Iémen, Abd Rabbo Mansour, contra os rebeldes Huthis, a minoria xiita apoiada pelo Irão, grande rival regional da Arábia Saudita.

O conflito provocou a morte de milhares de pessoas, incluindo civis, segundo várias organizações humanitárias que denunciam regularmente a venda de armamento francês.

Cerca de 3,3 milhões de pessoas estão deslocadas por causa do conflito e 24,1 milhões de pessoas, ou seja, mais de dois terços da população, precisam de algum tipo de assistência, de acordo com a ONU.

A Arábia Saudita tornou-se o maior importador de armas do mundo, com um aumento de 192%, em comparação com 2009–2013, segundo o mais recente relatório sobre o comércio mundial de armas do Instituto Internacional de Pesquisa sobre a Paz de Estocolmo (Sipri), publicado em meados de março e referente ao período 2014-2018.

As importações de armas por países do Oriente Médio aumentaram 87%, comparando o período 2009-2014 com o período 2014-2018, sendo esses países responsáveis por 35% deste tipo de importações.

Segundo o mesmo documento, Estados Unidos, Rússia, China, França e Alemanha são os maiores exportadores mundiais de armas.

Por Lusa

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.