Ex-presidente peruano morre após disparar sobre si próprio ao ser detido

18/04/2019 01:31 - Modificado em 18/04/2019 01:31
Alan García foi transportado de urgência para o hospital mas, segundo a imprensa local, não terá resistido aos ferimentos.

Oantigo presidente peruano, Alan García, terá morrido depois de ter disparado contra si próprio para evitar ser detido pela polícia em sua casa. O ex-chefe de Estado ainda foi transportado de urgência para o hospital, mas não terá resistido aos ferimentos, refere a imprensa local, citada pela RT.

García ter-se-à fechado no quarto quando as autoridades apareceram à sua porta, e disparou um tiro na cabeça. Ainda foi transportado para o Hospital Casimiro Ulloa, pelas 6h50 (hora local), onde sofreu várias paragens cardíacas durante a cirurgia a que foi submetido, morrendo várias horas depois, revela a TeleSur.

A decisão de tirar a própria vida ocorreu quando os agentes da Divisão de Investigação Criminal de Alta Complexidade foram a sua casa, para o deterem a garantir o cumprimento de 10 dias de prisão preventiva, ordenada pelo poder judiciário.

O antigo presidente era um dos quatro ex-chefes de Estado do país sob investigação por, alegadamente, terem recebido subornos da construtora brasileira Odebrecht. Além de García, foi ordenada a prisão de Luis Nava e Miguel Atala, ambos colaboradores próximos do ex-Presidente e conhecidos como seus testas-de-ferro.

A situação jurídica García complicou-se depois de, no domingo, ter sido noticiado que a Odebrecht, no âmbito do acordo de cooperação que tem com o sistema judicial peruano, ter revelado que Luis Nava e o seu filho, José Antonio, receberam 4 milhões de dólares para ganhar o concurso de construção de uma linha do metro de Lima.

O ano passado o Uruguai rejeitou o seu pedido de asilo político depois do ex-presidente ter passado cerca de duas semanas na embaixada do país, em Lima. García tem negado as alegações e sempre argumentou estar a ser vítima de perseguição política.

O antigo chefe de Estado foi presidente do Peru de 1985 a 1990 e entre 2006 e 2011.

O caso da Odebrecht no Peru envolve também os ex-presidentes Alejandro Toledo, Ollanta Humala e Pedro Pablo Kuczynski. E já levaram à prisão do ex-Presidente Pedro Pablo Kuczynski e da líder da oposição peruana, Keiko Fujimori, filha do ex-Presidente Alberto Fujimori.

Por Notícias ao Minuto

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.