Tributo a Bob Marley 2019 em Ribeirinha ambiciona trazer Antony B

29/03/2019 01:21 - Modificado em 29/03/2019 01:21

Para assinalar os 38 anos da morte de Bob Marley, o “Rei do reggae”, e recordá-lo de forma digna, “Os Mensageiros”, mais uma vez, como tem acontecido nos últimos treze anos, organizam o “Tributo a Bob Marley”, aqui na ilha de São Vicente.

A ambição para o espectáculo de 2019 é trazer para a ilha o reggae-man Anthony B, como destaque do espectáculo.

Em Mindelo, Bob Marley será recordado no mês de Maio, 11, na zona da Ribeirinha e como tal, afirma a organização, Marley merece sempre uma festa à sua altura.

Para Ravidson do Rosário, membro da organização, esta iniciativa é uma forma que o grupo “Os Mensageiros” encontrou para o homenagear e, aproveitam a oportunidade para dar visibilidade a alguns artistas locais, convidando-os a subirem a um palco e mostrar o seu talento.

Este ano o grupo tem como novidade a introdução de mais um dia ao evento, ou seja, na véspera, 10 Maio, haverá no local onde acontece o festival uma feira de saúde e artesanato. Ravidson do Rosário diz que o objetivo é enquadrar outras actividades ao programa do festival. Para isso diz, pretendem contar com o apoio do Centro de Saúde de Ribeirinha e da Delegacia de Saúde. Para a Feira de Artesanato que prendem incorporar no festival veem efetuando contactos junto de alguns artesãos, apresentado o projeto para que todos os possam abraçar.

Para a noite de 11 de Maio “Os Mensageiros”, na voz de Ravidson, anunciam uma noite de celebração e homenagem àquele que é considerado por todos o Rei da música e cultura Reggae e um dos maiores símbolos da luta contra a opressão e a desigualdade social. Prometem uma noite cheia de “good vibes” com alguns dos nomes do género musical.

A edição de 2019 do tributo a Bob Marley promete dois dias de actividades, com o primeiro dia reservado a uma feira de artesanato, com exposições diversas bem como uma feira de saúde e animação com DJ durante a tarde do dia 10 Maio.

No segundo dia do tributo, segundo a programação inicial, vão contar com a banda Cabo Roots da ilha do Sal e de São Vicente nomes como Edson Oliveira, Bruno Vasconcelos, Andreia Silva, Thierry Monteiro, Thiago Silva e Cármen Silva.

Para a realização do evento, a Câmara Municipal, cede durante dos dois dias, o terreno dos “diques” situado na zona e também aparece como um dos patrocinadores do evento que arrasta milhares de admiradores ao local.

De acordo com Ravidson Rosário, para dar prosseguimento ao processo de internacionalização do evento, como acontece desde 2015, a ambição é trazer para a ilha o reggae-man Anthony B, como destaque do espectáculo. O jamaicano já actuou em São Vicente na 25ª edição do Festival Internacional de Música da Baía das Gatas, no ano de 2009.

Um dos obstáculos que a organização enfrenta, segundo o nosso entrevistado, deve-se ao facto de muitas empresas negarem patrocinar o evento, porque não querem se associar ao festival reggae. Puro preconceito, acrescenta.

No entanto, apesar de algum preconceito que existe à volta do festival, Ravidson Rosário garante que o civismo que envolve todo o projecto é de se louvar. “Civismo é o nosso forte e ao longo dos anos tem-se notado uma evolução no formato do festival, com a adesão de vários artistas de todo o país. É um festival que está a marcar o panorama cultural de São Vicente”.

Note-se que o festival é realizado de forma independente, sem quaisquer fins lucrativos, sendo já uma referência nacional. “O que importa é o facto de ser um festival gratuito e sem fins lucrativos, feito em Ribeirinha para toda a ilha e país e também para o mundo”, assegura.

Bob Marley, nome artístico de Robert Nesta Marley, nasceu numa favela de Kingston (Jamaica) em 1945 e faleceu a 11 de Maio de 1981.

A biografia oficial do músico assinala que Bob Marley, teve uma juventude “bastante difícil”, o que o ajudou a retratar nas suas músicas os problemas sociais. Começou a carreira musical com o grupo The Wailers.

O seu primeiro sucesso foi “No Woman no Cry” em que o reggae começou a ganhar fama internacional e conquistou o mundo. Seguiram-se “I Shot the Sheriff”, famosa pela interpretação de Eric Clapton, e “Get up, Stand up”.

Bob Marley foi também um dos maiores representantes do movimento rastafári e um mito para “muitas gerações”.

Bob Marley tinha apenas 36 anos quando morreu vítima de um cancro de pele que não quis tentar curar, recusando fazer qualquer tratamento. Com mais de 200 milhões de discos vendidos, as músicas escritas e interpretadas por Bob Marley revelavam sempre uma forte mensagem de cariz político e social.

Paz, Amor e Liberdade eram as palavras de ordem. Defendeu a emancipação dos oprimidos e mais desfavorecidos e apelava à não repressão, conquistando assim um legado no universo do reggae.

  1. Dje Guebara

    Bob Marley não morreu de cancro (cancer), Bob Marley foi envenenado aqui em as clinicas dos estados unidos en “Miami” porque Bob Marley como cantantante tambèm era um activista contra as desigualdades sociais. As musicas de el eram inspirações e politicas contra os colonizadores, contra las invasões, las guerras injustas. A CIA o matou depois que lançou a canção de Buffalo Soldier donde condenava el uso y a escravidão dos negros americanos em frente das batalhas.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.