Sporting-Batuque: Imprensa portuguesa diz que SCP pagou por jogadores “fantasma”

19/03/2019 15:32 - Modificado em 19/03/2019 16:20
| Comentários fechados em Sporting-Batuque: Imprensa portuguesa diz que SCP pagou por jogadores “fantasma”

Esta é a manchete da imprensa portuguesa nesta terça-feira, 19, após os Leões terem pago ao Batuque FC 330 mil euros para ter o direito de preferência por sete jogadores do clube cabo-verdiano, no entanto como diz o Correio a Manhã, não existem documentos que provem a existência de quatro deles.

Em entrevista a Bola Branca, João José Cardoso da Silva, “Jota” Presidente do BatuqueFutebol Clube, face às informações avançadas de que o antigo Presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, tinha pago 330 mil euros por “jogadores fantasmas”, nega categoricamente as denúncias de Frederico Varandas, atual presidente verde e brancos.
“Jota” esclarece que os quatros jogadores, denominadas de “fantasmas”, estavam todos inscritos, mas já não estão, porque “em Cabo Verde o futebol é amador, as licenças são válidas por um ano”.
De acordo com o mesmo, Julmir Silva está neste momento a alinhar no campeonato da Guiné Bissau, e os outros três, Admirson Soares, Walter dos Santos Waxel e Wildilton Santos Waxel, estão a fazer testes noutros sítios e “brevemente saber-se-a para onde vão”.
O presidente do Batuque FC assegurada ainda que o Sporting continua a ter preferência sobre esses jogadores, até 2022, ano em que termina o prazo do acordo assinado há dois anos entre os dois clubes.

O líder do clube sanvincentino culpa o atual Presidente do Sporting, Frederico Varandas, pela sua atitude, acusando-o de “mandar palpites desnecessários e que o protocolo existe e foi feito de boa-fé”.


Mas o Correio da Manhã escreve que encontrou apenas três dos sete jogadores que fazem parte do protocolo de prospeção assinado, em 2017, entre Bruno de Carvalho, à data presidente do Sporting, e o Batuque FC, dos quais nunca recebeu relatórios técnicos, fotografias ou vídeos desses mesmos jogadores.
Reacções na imprensa portuguesa vão no sentido que o ” o Batuque e o SCP não merecem o que Bruno de Carvalho lhes fez e esta fazer “. Defendem que quem deve dar explicações é o ex- presidente do SCP “Como é que um clube com uma Academia como o SCP paga por direito de preferência de jogadores formados no Batuque em Cabo Verde e depois não exerce esse direito? ” Outros comentadores defendem que “este é um problema arranjado pelo Bruno de Carvalho. Foi ele que assinou o protocolo ou alguém acredita que o SCP andava por ai a distribuir euros a troco de nada e para nada”. O presidente do Batuque tinha dito em declarações ao NN que se for chamado pelas autoridades competentes prestará todas os esclarecimentos solicitados”

No entanto, nem a FIFA tem informações de quatro dos sete futebolistas presentes nesse acordo. Ao que o Correio da Manhã apurou, não existe qualquer documento que prove a existência dos quatro atletas, são eles Julmiro da Silva, Admirson Soares, Widilton Santos Waxel e Walter dos Santos Waxel.
Os três únicos jogadores que estão presentes nesse acordo, são Fabrício Kone emprestado pelo Batuque FC ao Ponta d´Pom, Kevin Patrick Alves Fortes jogador do Batuque FC e Júnior Jorge Coelho da Cruz que representa a Académica do Mindelo.
O NN espera trazer em breve reações dos atletas sobre este caso mediático que envolve o Batuque FC e Bruno de Carvalho ex presidente dos Leões.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.