“Catchupa Factory” deverá contar no máximo até nove “fotógrafos e artistas emergentes” dos PALOP

13/03/2019 00:27 - Modificado em 13/03/2019 00:28
| Comentários fechados em “Catchupa Factory” deverá contar no máximo até nove “fotógrafos e artistas emergentes” dos PALOP

Catchupa Factory Novos Fotógrafos 2019 é um programa de incentivo à criação artística em formato de residência artística, dirigido a fotógrafos e artistas emergentes dos PALOP – Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique.

É dado também destaque ao desenvolvimento de competências ao nível da comunicação e exibição do projecto fotográfico. A última semana do programa é dedicada à concepção de uma exposição dos projectos resultantes e a residência culmina com uma apresentação pública dos resultados.

Durante um período de 3 semanas de trabalho intensivo, ao contrário das outras edições, com a duração de apenas duas semanas, os participantes são orientados na concepção e criação de um projeto fotográfico, sendo privilegiada a construção de uma estrutura narrativa. O trabalho de campo, pesquisa e experimentação são acompanhados por sessões teóricas em torno de questões críticas relacionadas com a fotografia contemporânea africana.

Este ano, financiada pela Fundação Calouste Gulbenkian no âmbito do concurso trianual de Apoio à Realização de Residências Artísticas nos PALOP, e pelo Ministério de Cultura e das Indústrias Criativas no quadro do Edital MCIC 2019, esta iniciativa que já vai na sua 4ª edição é organizado pela Associação Olho-de-Gente (AOJE), na cidade do  Mindelo.

Rita Raínho, membro da AOJE, assegura que com o financiamento da Calouste Gulbenkian para três edições da iniciativa, a associação terá melhorias de condições de trabalho e assim trabalhar com a qualidade necessária e com a exigência que este projecto requer.

A iniciativa conta ainda com as parcerias institucionais nacionais do Centro Nacional de Arte Artesanato e Design, e que segundo Irlando Ferreira, o projecto, além de promover um olhar sobre a fotografia num contexto dos PALOP, também traz um olhar de fora para dentro para ajudar os nossos criadores a dilatar os seus olhares sobre aquilo que é a fotografia.

E portanto, diz que é preciso que a fotografia “deixa de ser vista como algo decorativo e passe a ser vista como algo mais profundo e com cariz artística”.

As formações do Catchupa Factory serão levadas a cabo no polo da Universidade de Cabo Verde no Mindelo e deverão acolher no máximo até nove “fotógrafos e artistas emergentes” dos PALOP.

As candidaturas para a participação estão abertas desde 27 de Fevereiro e prolongam-se até 27 de Março próximo e conta com a participação de até 9 fotógrafos e artistas emergentes dos PALOP, 4 fotógrafos e artistas dos PALOP, exceto Cabo Verde.

A divulgação dos resultados está prevista para 02 de Abril, altura em que serão conhecidos os escolhidos pelo júri constituído por Diogo Bento e Rita Raínho da AOJE, Michelle Loukidis da África do Sul, que vai ser a formadora da residência artística e ainda Paula Nascimento (Angola) e John Fleetwood (África do Sul), que são os curadores convidados.

Durante as três edições anteriores do Catchupa Factory, conforme Rita Raínho, já passaram pela residência artística 36 fotógrafos e artistas dos PALOPS.

Associação Olho-de-Gente (AOJE)

A AOJE é uma organização sem fins lucrativos fundada em 2013, que se dedica à divulgação e promoção da Fotografia em Cabo Verde numa perspectiva de desenvolvimento social, cultural e artístico. O percurso inicial da AOJE é marcado pela criação e organização do Festival Internacional de Fotografia de Cabo Verde (FIFCV), com um programa ambicioso, tanto ao nível dos fotógrafos convidados e número de exposições, como das perspectivas de formação para os fotógrafos nacionais participantes.

Entre 2013 e 2014 estiveram presentes em Cabo Verde inúmeros fotógrafos e autores internacionais, tendo contribuído de forma decisiva para a divulgação da fotografia e dos autores cabo-verdianos. Ao longo de 2 anos estiveram envolvidos mais de 20.000 visitantes e participantes directos.

Nos últimos 6 anos, a AOJE desenvolveu uma série de workshops, residências artísticas e exposições, tendo envolvido mais de 70 fotógrafos e artistas em actividades de formação básica a avançada, com destaque para a residência artística Catchupa Factory, que organiza desde 2016. A AOJE é membro da organização “Centres of Learning for Photography in Africa”.

Artes

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.