Governo ambiciona trazer mais investidores para Cabo Verde nos próximos tempos

12/03/2019 01:26 - Modificado em 12/03/2019 01:26

O ministro das Finanças anunciou hoje, na ilha do Sal, durante acto de lançamento público do Cabo Verde Investment Fórum, a que presidiu, que o Governo ambiciona trazer mais investidores para Cabo Verde nos próximos tempos.

Promovida pelo Governo, em parceria com o Conselho Superior das Câmaras de Comércio e Turismo, a primeira edição do Cabo Verde Investment Fórum deverá acontecer de 01 a 03 de Julho do corrente ano, na ilha do Sal.

A realização deste evento vem na sequência da Conferência Internacional “Construindo Novas Parcerias para o Desenvolvimento sustentável de Cabo Verde”, cumprida no mês de Dezembro de 2018, em Paris.

Almejando um melhor ambiente de negócio em Cabo Verde, o vice-primeiro-ministro e titular da pasta das Finanças disse que para isso a Administração Pública cabo-verdiana “tem de entender” que o seu papel é ser um elemento “facilitador e criador” de oportunidades.

“Nós em Cabo Verde temos de poder celebrar o sucesso dos outros. O sucesso dos outros é bom para Cabo Verde. É bom que tenhamos empresas e empresários de sucesso, gente a crescer, a expandir o negócio, a ganhar dinheiro, a pagar impostos, a criar empregos e a afazer o país avançar”, frisou, acrescentando que é por isso é que se está a realizar este fórum de investimento privado.

“Este fórum não é um fórum para muitas conversas, porque conversa já tivemos em Paris”, explicou o governante, informando que o Cabo Verde Investment Fórum é para olhar para projectos concretos, tendo-se já, conforme garantiu, uma carteira de quase dois bilhões de euros de projectos “já maduros ou em fase de amadurecimento”.

Projectos que, entretanto, conforme esclareceu, poderão ser melhorados, para serem bancáveis à escala nacional e à escala internacional.

Perante tal ambição, Olavo Correia disse que o governo quer trazer para Cabo Verde investidores, instituições financeiras internacionais, bancos, seguradoras, capitais de risco, parceiros bilaterais, e todos aqueles que têm interesse em investir no país nos sectores do turismo, transportes, tecnologia, indústria, comércio, entre outras áreas.

“Todos aqueles que querem investir no nosso país vão ter essa oportunidade para olhar para projectos concretos e para ajudar a montar o financiamento. Então, há todo um trabalho prévio que tem que ser feito. Se somos tão bons, então eu quero ver pelo menos, meio bilhão de euros de financiamento garantido e contratualizado até ao fórum, a ser realizado nos dias 1, 2 e 3 de Julho”, desafiou.

O ministro das Finanças deixa claro, todavia, que essa responsabilidade “não é do governo”, explicando que são os privados quem deverão apresentar os projectos.

“Atenção … nós suportamos, apoiamos, facilitamos, criamos oportunidades. Quem apresenta os projectos são os privados que têm de ter uma boa capacidade de gestão, projectos bancáveis, uma boa estrutura de capital, mercado, e capacidade para mobilizar financiamentos”, aclarou, manifestando total disponibilidade do governo para colocar toda a capacidade pública ao serviço deste objectivo.

“Para trabalharmos de agora até Junho, para que em Julho possamos assinar e afirmar contratos de financiamento. Não é um fórum para muitas conversas. É um fórum para fechar negócios, contratos, para estabelecer parcerias”, insistiu.

No final, segundo Olavo Correia, a avaliação é simples, já que deverá permitir saber o número de contratos assinados, o volume de financiamento contratualizado, quantos empregos vão ser criados e onde, e o que se poderá ter como perspectiva em relação ao futuro.

Inforpress

  1. Zender

    Quem é contra novos investimentos que fale claro e sem subterfúgios que em democracia não mandam prender ninguém por dizer o que pensa!.
    Uma coisa é certa Com novos investimentos haverá sempre mais procura de mão de obra e emprego qualificado!
    Cabo Verde não pode parar, para o azar dos incredulos. K

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.