Moustapha Cisse Lo pede desculpas a Cabo Verde, pela deslocalização do Seminário Parlamentar do Sal para Dakar

6/03/2019 14:51 - Modificado em 6/03/2019 14:52

Arrancou esta terça-feira, 5, em Dakar, o Seminário Parlamentar da CEDEAO subordinado ao Tema: “Desafios e Perspetivas da Moeda Única na CEDEAO: Mobilização dos Parlamentares no Sentido da Sua Realização”. Trata-se de um evento que deveria acontecer na ilha do Sal, em Cabo Verde, entre os dias 28 de fevereiro e 2 de março, seguido de uma Sessão Extraordinária daquele parlamento comunitário, mas que por motivos das eleições na Nigéria e no Senegal, foi deslocalizado para a capital senegalesa.

Durante o seu discurso na sessão de abertura, que contou com as presenças de altas figuras de Estado do Senegal e da CEDEAO, entre os quais, o presidente da Assembleia Nacional, Moustapha Niasse e Jean-Claude Kassi Brou, presidente da Comissão da CEDEAO, respetivamente, o presidente do Parlamento da CEDEAO, Mosustapha CisseLo volta a lamentar a não realização do seminário no Sal e a pedir desculpas aos dirigentes do País, através dos cinco deputados de Cabo Verde presentes na sessão solene de abertura do evento.

Para Cisse Lo a decisão de deslocalizar o seminário do Sal para Dakar prende-se, sobretudo, com os constrangimentos de ordem logística e com as eleições na Nigéria e no Senegal. “Lamentamos o que aconteceu e pedimos desculpas às autoridades cabo-verdianas que, desde muito cedo, abraçaram a nossa proposta. Prometemos, por isso, em tudo fazer, para que Cabo Verde seja palco, ainda em setembro deste ano, durante a 2ª Sessão Extraordinária, de um grande evento do Parlamento da CEDEAO”, garanteMosutapha Cisse Lo garatindo ter já enviado uma carta aos presidentes da República, Jorge Carlos Fonseca e da Assembleia Nacional, Jorge Santos, a pedir desculpas peloacontecido e eventuais transtornos causados. 

Já Orlando Dias, vice-presidente do Parlamento da CEDEAO, acha que a deslocalização do evento de Sal para Dakar surpreendeu as autoridades cabo-verdianas e os deputados de Cabo Verde, pois estava tudo a postos para que Cabo Verde acolhesse este seminário parlamentar. Contudo, considera aquele responsável, a situação está esclarecida, uma vez que “quando se pede desculpas é porque se reconhece o erro”. 

“É verdade antes de ontem (segunda-feira, 4), durante a Conferência da Mesa do Parlamento, o presidente Cisse Lo pediu desculpas três vezes a Cabo Verde e reafirmou ter já enviado uma carta aos presidentes da República, Jorge Carlos Fonseca e da Assembleia Nacional, Jorge Santos, a lamentar e a pedir desculpas pelo sucedido”, conta-nos Dias para quem a atitude do presidente do Parlamento da CEDEAO mostra a sua “total abertura” em realizar atividades daquele parlamento comunitário, em Cabo Verde.

Recorde-se, que o Seminário Parlamentar de Dakar, decorre entre os dias 5 e 7 de março, sob o signo de implementação da moeda única nos países da África Ocidental, no âmbito da agenda 20/20 da CEDEAO, antecede a 1ª Sessão Extraordinária daquele parlamento comunitário, que acontece de 8 a 14 deste mês.

Eduino Santos

  1. Agostinho Fonseca

    Acho muito acertado que saiem para Dakar. Ali estão no elemento pois pouco ou nada temos de comumcom essa gente. Somos todos africanos e isso ninguém duvida mas não temos os mesmos costumes e não temos a mesma vivência. O leite que temos no nosso café torna-o menos amargo e mais apetecivel. Portanto cada macaco no seu galho e tudo fica bem.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.