Carnaval de rua está a renascer

6/03/2019 01:25 - Modificado em 6/03/2019 01:25

Considerado como um aperitivo no Carnaval mindelense, o carnaval de rua está ganhando novos sabores e qualidades distintas. A diversidade dos temas e a originalidade apresentada pelos grupos espontâneos, têm marcado as últimas edições do carnaval de São Vicente, o que merece o aplauso e a satisfação dos mindelenses.

Depois de em 2016, o Ministério da Cultura e das Industrias Criativas (MCIC), através do Centro Nacional de Artesanato e Design (CNAD), terem criado o “Prémio Kakoi”, para galardoar os grupos de animação do carnaval mindelense, os grupos espontâneos que circulam pelas principais artérias da cidade no dia maior do carnaval, do período entre o meio-dia as 15 horas, têm surpreendido tudo e todos devido a capacidade de criação e inovação.

Uma tradição que outrora era tida como figura maior do carnaval de São Vicente, os grupos espontâneos faziam a “saburá” dos mindelenses. Mas que com o passar dos anos foi caindo na banalidade devido a fraca capacidade criativa e a maioria não tinham uma mensagem positiva, caindo na banalidade dos impropérios que se ouviam perante os olhares atentos dos mais pequenos, entre outros aspectos negativos, que trouxeram a inversão de valores e que por conseguinte levou ao afastamento de muitas pessoas.

Ora, a tradição parece que se reavivou depois da implementação do prémio “Kakoi” em homenagem a este ilustre personagem mindelense, os grupos e individuais têm sabido encantar o público antes da saída dos desfiles oficiais. Foi de resto, o cenário notado nesta terça-feira, que antecedeu os desfiles oficiais, onde as pessoas mostraram que a imaginação não tem limites, retratando cada uma à sua maneira vários marcos da nossa cultura e vivência do povo são-vicentino.

Para Joana Rocha, o carnaval de rua tem um papel essencial, e que aos poucos nota que está ganhando de novo a sua identidade, pois ao seu ver as pessoas ganharam a consciência de que os valores vêm em primeiro lugar. “Os grupos que estiveram presentes trouxeram temas importantes e que quanto a mim caíram bem na nossa realidade. Estão num bom caminho “sustenta.

A estimulação dada teve o efeito desejado e como nos confidencia um membro de um dos grupos do carnaval de rua, começou a sair no carnaval espontâneo depois da melhor organização que se registou e que independentemente de vencer algum dos prémios, o importante é dar o seu contributo para a melhor festa da ilha. “A criação deste prémio é de louvar, porque trouxe maior nível de controlo para o que se procura expor, isto é para um vasto número de pessoas, onde também há crianças presentes. Se vencer ficarei contente mas se não, ficarei na mesma porque dei o meu contributo” afirmou este entrevistado entre sorrisos.

 Mária de Fátima afirma que os grupos espontâneos estão a surpreender, e que por isso começou a apanhar de novo o gosto para os assistir. Esta mindelense foi buscar a velha máxima aplicada no carnaval, que diz que “É carnaval, ninguém leva a mal” para afirmar que mesmo assim, os grupos têm primado pelo respeito aos que assistem e isso enriquece ainda mais o carnaval.

De destacar que o prémio Kakoi já vai na sua 4ª edição e tem como objectivo reavivar e estimular o carnaval espontâneo, que sempre fez parte do carnaval de São Vicente.

Participam do concurso grupos entre 3 a 10 pessoas e individuais que apresentem um tema com uma originalidade e que a sua presença, enquanto aspecto a ser avaliada, o que a mensagem quer levar para as ruas da cidade e, também, a reacção do público.

A entrega dos prémios acontece nesta quarta-feira, no CNAD.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.