UCID diz que as habitações sociais do projecto “Casa para Todos” não devem servir como moeda de troca nas futuras eleições

11/02/2019 15:20 - Modificado em 11/02/2019 15:21
| Comentários fechados em UCID diz que as habitações sociais do projecto “Casa para Todos” não devem servir como moeda de troca nas futuras eleições

O presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) falava esta segunda-feira, no âmbito de uma visita ao círculo eleitoral de São Vicente, efectuada pelos deputados do partido entre os dias 04 a 10 de Fevereiro, onde foi privilegiada a questão das problemáticas sociais.

O líder da UCID, traz mais uma vez a problemática a tona, alegando que enquanto a situação persistir e não ver esforços a serem feitos para diminuir o problema, irá continuar a “bater na mesma tecla”, anunciou António Monteiro.

Este assegura que a qualidade de habitação, em muitas zonas da ilha, deixa muito a desejar, com tetos de má qualidade que continuam a oferecer risco para a integridade física dos moradores e também a própria qualidade das moradias, tendo em conta que são feitas de matérias que não são as mais indicadas.

Embora reconheça o programa Programa de Requalificação e Reabilitação e Acessibilidade (PRAA) – do governo, este afirma, no entanto, que não está a dar satisfação às necessidades e angústias que muitas famílias estão viver devido as más condições das suas habitações e acima de tudo por causa da falta de trabalho que os permita, sozinhos, resolver os seus problemas, ajuntou Monteiro, que na falta de trabalho para resolverem por si mesmo estes problemas, resta-lhes esperar pelo apoio do governo e da Câmara Municipal e quiçá de algumas empresas e instituições.

O líder da UCID diz não conhecer a validade do programa, mas é preciso mais, tendo em conta as necessidades e a incapacidade financeira da câmara através do programa “Isdob compo bô casa” para responder satisfatoriamente e em tempo útil às necessidades dessa população.

Outra problemática é o facto de até ao momento, a CMSV não ter feito a distribuição das moradias das habitações do “Programa Casa para Todos” recentemente transferido para o município, pelo governo. “Não temos informação sobre o que pretende fazer a câmara para a entrega competente destas pessoas que realmente precisam destas mesmas casas.

Portanto, António Monteiro diz que o UCID está preocupada com os critérios de selecção a serem utilizados. “Esperamos que estes critérios sejam o mais transparente possível para não cairmos no erro de estar a dar habitação para quem não precisa, em troca de favores políticos, o que infelizmente já aconteceu”.

Por isso, apela ao governo e câmara para que os critérios sejam amplamente divulgadas e que as casas sejam distribuídas o mais rapidamente para não haver possibilidade de serem usadas como moeda de troca na altura das eleições que acontecem já em 2020 e 2021.

Além destas questões, traz também à tona a questão da agricultura que é praticada na zona de Tchã de Holanda, na Ribeira de Vinha, cujos agricultores e criadores pedem financiamento e criação de condições para o escoamento dos seus produtos para as ilhas de maior fluxo turístico, como é o caso do Sal e da Boa Vista, bem como investimento na estrada de acesso a essas localidades.

Outro ponto, segundo Monteiro é que a ilha precisa ter grandes projectos para assumir e consumir o excesso de mão-de-obra que origina o desemprego, e desafia o governo e a câmara para juntos encontrarem métodos e formas de financiamento para que surjam grandes projecto para absorver essa mão-de-obra.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.