Santo Antão: Combate à praga dos mil-pés que afecta a ilha há mais de 40 anos é uma promessa do Governo

17/01/2019 12:37 - Modificado em 17/01/2019 12:38
| Comentários fechados em Santo Antão: Combate à praga dos mil-pés que afecta a ilha há mais de 40 anos é uma promessa do Governo

No quadro da cooperação chinesa, o Governo pretende criar as condições visando, ainda no decurso deste ano, combater a praga dos mil-pés (illacme plenipes) que, desde dos anos 70 tem afectado a agricultura em Santo Antão.

De acordo com o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, ainda no decorrer de 2019 chegará a Santo Antão um técnico que vai apoiar este ministério no combate a esta praga, que tem afectado sobremaneira a actividade agrícola.

Esta praga que terá eventualmente chegado a  Santo Antão nos princípios da década de 70, proveniente da Europa. Desde1984 que a ilha de Santo Antão tem estado sujeita a medidas de quarentena, que proíbem o escoamento dos produtos para as outras ilhas agrícolas do arquipélago.

Segundo os agricultores, este embargo levou ao declínio da  agricultura em Santo Antão, uma preocupação partilhada pelos autarcas desta ilha, que têm vindo a pressionar o Governo no sentido de pôr cobro a essa medida.

O presidente da Associação dos Municípios de Santo Antão, Orlando Delgado, diz que os agricultores de Santo Antão não podem continuar a ser penalizados e que esta questão do embargo precisa ser resolvida de uma vez por todas.

De frisar que ao longo dos anos, foram realizadas algumas investigações, sem resultados práticos, com vista ao combate desta praga, que ataca, sobretudo, tubérculos, tendo o actual governo decidido, a partir deste ano, retomar as acções, na esperança de encontrar uma solução contra esta praga que continua alastrar-se por toda a ilha.

O Governo diz estarem a ser criadas as condições para o levantamento do embargo, porque acredita que “Santo Antão não pode continuar a ser prejudicado”.

Na visita recente a Santo Antão, o vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, assumiu esta posição, defendendo a necessidade de se avançar com investimentos na investigação, mas, também, na transformação dos produtos agrícolas, com forma de criar as condições para  o término do embargo.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2020: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.