Cidadão indignado com a Taxa da RTC nas facturas da Electra pede ao Governo que repense numa estratégia melhor

26/12/2018 23:36 - Modificado em 26/12/2018 23:36

Numa carta aberta enviada ao Governo de Cabo Verde,  Litos Sousa sobre a Taxa da RTC incluído nas facturas da electricidade e que o NN teve acesso, o cidadão afirma que tem sido “vítima mensalmente” desta medida tomada pelo Governo há anos, e decidiu manifestar o seu desagrado e indignação.

Este cidadão começa por referir que esta é uma medida inconstitucional. É contrária à constituição. É algo que deixa qualquer pessoa “revoltada, instiga a corrupção e a desonestidade por parte das pessoas”.

Não obstante ser “herança” deixada por outros governantes, este cidadão começa por colocar ao Governo de Cabo Verde as seguintes questões: “Porquê celebro um contracto de fornecimento de energia com uma empresa (neste caso a Electra) e tenho que pagar pelo serviço de uma outra empresa (neste caso a RTC)?

Qual é a ligação existente entre a Electra e a RTC? Custa-me entender. Porquê tenho que pagar de forma coerciva/obrigatória por aquilo que não consumi?

Porquê é que as pessoas que moram no interior dos concelhos espalhados pelo país e que não têm sinal de televisão são obrigados a pagarem por algo que que não consumiram?

Porquê os proprietários de hortas agrícolas, oficinas e outros estabelecimentos comerciais que não têm televisão pagam esta taxa?

Será que num futuro próximo vão introduzir, nessa mesma factura, uma outra taxa proveniente da prestação de serviços de outras empresas?”

Litos Sousa esclarece que não tem nada contra as duas empresas, pelo que se cinge apenas à questão da taxa. “Penso e é justo que se uma empresa fornece um serviço, deve receber por este serviço. Para tal devem criar condições para o fazer.

O que não é justo é aproveitar da fragilidade das pessoas para introduzirem nas suas facturas (de dois bens indispensáveis – água e energia eléctrica) uma taxa que não é de direito” argumenta o mesmo, assegurando que desta forma as pessoas não conseguem dizer que não e têm de pagar.

Para este cidadão as pessoas deveriam ter o direito de escolherem se podem ou não pagar por usufruírem da televisão pública de Cabo Verde. Isto se, no seu entender, forem criadas todas as condições para que seja uma opção viável.

No entender de Litos a desculpa que sempre utilizam de que para se pagar esta taxa é preciso atingir os 40Kw, não é aceitável. O consumidor deve poder “consumir aquilo que bem entender e sem depender de controlo e ou imposição de terceiros”, desde que não esteja a violar a lei.

“Sei que o estado depende dos impostos para gerir o país, e é o dever de todos contribuir, mas quando feito de forma justa. Com sentido e sem violar as leis da República. Cabe agora ao Governo analisar com raciocínio esta questão e revê-la a bem de todos” conclui Litos Brito.

  1. tvec

    Gostaria somente de ressalvar que alem de ser cobrado essa taxa na factura da electa, ainda temos de pagar a tcv na BoomTV e ZAP da CVTelecom. É que esses 2 tem a TCV incorporado nos seus programas e pagamos na mesma a taxa da electra.

  2. Muito bem Sr. Litos Brito. estou de acordo com o seu raciocínio, que considero lógico e razoável, porque existem muitos cidadãos que olham TCV, outros não conseguem capitar imagens, devido os problemas técnicos de várias ordens, mas contudo, pagam Taxa de RTC. Que injustiça? O nosso Governo deve ter em conta a sua preocupação, porque como disse e bem, está a empresa de eletricidade, anda a fazer uma cobrança injusta, pior ainda, é preciso saber se a Electra está a retribuir o que cobra aos cidadãos a favor da RTC. Tenho dito.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2019: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.