Direção Nacional da Cruz Vermelha destituí direção local de São Vicente e troca fechadura da sede

15/12/2018 16:58 - Modificado em 15/12/2018 16:58
| Comentários fechados em Direção Nacional da Cruz Vermelha destituí direção local de São Vicente e troca fechadura da sede

A sede da Cruz Vermelha em São Vicente foi, esta semana, “arrombada e com fechadura trocada” com o intuito de suprimir a entrada e trabalhos à direcção local, o que está considera uma atitude ilegal e supressiva.

Para manifestar o seu descontentamento contra esta medida que coloca em causa todo o trabalho que a organização tem feito em São Vicente, voluntários e membros da direcção local reuniram este sábado de manhã à frente da sede, munidos de cartazes a reivindicar uma justificação perante uma decisão tida como absurda.

João Paulo da Luz, presidente destituído, diz-se indignado e triste com a decisão arbitrária que a Direcção executiva nacional optou por tomar, apesar de não possuir competências legais para o fazer.

“Não conseguimos entrar no local e destituíram uma direcção que foi legalmente escolhida. Tudo isso feito sem nenhuma justificativa e de uma forma supressiva”, alega o responsável. Este explica que a direcção local só pode ser destituída mediante eleições locais e não podem violar o estatuto da Cruz Vermelha que “está a ser violado intencionalmente pelo conselho executivo”, desabafa o Dr. João Paulo da Luz que está à frente da instituição na ilha desde de 2010.

A decisão, conforme explicou ao NN foi tomada com a direcção nacional a deliberar um documento que lhes deu esta condição. Um documento, que da Luz considera ilegal e que neste momento já está na posse do advogado que o está a analisar para que possam ser tomadas as medidas necessárias.

Em representação dos voluntários, Anísia Neves diz que todos estão bastante tristes com esta situação, e no momento da decisão, conta que foi-lhe informado que era um ato sigiloso e que deveria ficar apenas dentro das portas da Cruz Vermelha. “Com esta atitude de um presidente que tem causado indignação a nível nacional, não podemos ficar calados e temos de mostrar à população o que estão a fazer connosco. Com o nosso concelho local”.

Adianta ainda que a escolha do presidente local cabe aos voluntários. Este ato, acusa esta voluntária, está a afugentar os voluntários. A mesma critica a forma como nos últimos meses têm negado o envio de dinheiro para o lar de idosos na Ribeirinha, gerida pela Cruz Vermelha e prejudicando os idosos.

Ademais,conta ainda que esta é mais uma das decisões que a Direcção Nacional tem vindo a tomar e que viola os princípios da instituição. João Paulo da Luz acusa a direcção de contrair, em apenas um ano de mandato, mais despesas que a anterior direcção fez num mandato com a duração de três anos.

Decisões que diz, têm sido muito contestadas e com várias reivindicações de Santo Antão à Brava. “Queremos juntar esforços com as outras ilhas pois situações semelhantes já aconteceram em diversos concelhos e os voluntários sentem-se descriminados e intimidados. Ele tem condutas que são contra os princípios da Cruz Vermelha e quando és voluntários de coração trabalhas com coração, mas quando estás apenas interessado em usufruir de bens ou outras regalias aí a coisa não está bem”.

Denuncia também a questão a nível financeiro. “Este primeiro ano de mandato foi um sufoco financeiro para a ilha de São Vicente. Temos vários voluntários que trabalham arduamente para cobrir os vários problemas sociais que a ilha enfrenta”.

Para este, a ilha de São Vicente sempre foi o espelho da Cruz Vermelha a nível nacional, com voluntários a trabalharem de forma incondicional e todas as actividades são feitas com “muito humanismo”.

Portanto critica veemente esta posição tomada e um desfecho que está a causar indignação, porque as consequências já começaram a ser notadas desde o momento que a decisão foi tomada de suspender os trabalhos da sede local. E os compromissos com as várias instituições ficam condicionados.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.