“Jess” Andrade e o seu humor em crioulo que levanta o astral de qualquer um

1/01/2023 20:18 - Modificado em 1/01/2023 20:18
| Comentários fechados em “Jess” Andrade e o seu humor em crioulo que levanta o astral de qualquer um

Filha de pais cabo-verdianos, neste caso de sanvicentinos. Ela chama-se Jéssica Andrade, mas é conhecida por todos por “Jess”. Nasceu e cresceu em Brooklyn (um dos 5 bairros de Nova Iorque, nos EUA). Esta jovem aproveita o seu lado extrovertido para falar sobre vários assuntos que considera serem encarados com uma certa complexidade, num tom de humor. Jess já conta com milhares de seguidores, maioria cabo-verdianos, nas suas redes sociais. Seu crioulo não é seu forte, mas se desenrasca.  

Jess, de 33 anos, é trabalhadora e mãe de três filhos e nunca viveu em Cabo Verde. Quando tinha apenas 3 anos de idade visitou Cabo Verde, acompanhado dos pais, contou Jéssica Andrade em entrevista ao Notícias do Norte.

O que mais chama atenção em Jessé é a sua forma de ser e estar. “Desde criança sou uma pessoa extrovertida, muito brincalhona”, disse a jovem que considera o seio familiar a sua maior referência desde a sua infância.

Com isso, nas suas redes sociais expõe o seu lado humorístico e faz as pessoas rirem sobre determinado assunto, tudo feito na língua crioula. Muitos dos seus vídeos são conselhos sobre ter amor-próprio ou situações do dia a dia. A música, também no tom de humor, já começa a fazer parte das suas publicações e a intenção é sempre “passar uma mensagem positiva”.

Jesse é assim mesmo, “sem papas na língua”, fala, por exemplo, sobre camisinha, penso higiénico, falar sobre Violência Baseada no Género (VBG), crianças abandonadas ou que não são cuidadas como deveriam ser e também sobre a necessidade de as mulheres reconhecerem o seu valor.

“O objetivo é levar informação, através do humor crioulo, para a comunidade com certos assuntos considerados tabus porque há uma certa complexidade em falar sobre determinados temas. Aproveito do espaço virtual para levar as mensagens e explicar para as pessoas que ainda têm vergonha de falar sobre dados assuntos”, traduziu a sua mãe.

Vídeos a imitar pais cabo-verdianos a lidar com os filhos no dia a dia, são resultantes daquilo que presencia na sua família e em outras famílias cabo-verdianas nos EUA e que através dessa observação consegue apreender muito sobre essa convivência.

A sua forma de comunicar tem atraído muitos seguidores, principalmente cabo-verdianos em qualquer parte do globo.

Pelo simples fato de ter pais de cabo verde também se considera uma mãe cabo-verdiana que passa a mesma educação para os filhos. Esta jovem acredita que a forma de educar dos pais cabo-verdianos têm mudado ao longo dos tempos.  

O que mais chama atenção e gosta muito é a gastronomia cabo-verdiana, música, dança, a língua crioula, carnaval. “Quero um dia participar no carnaval mindelense, talvez ser uma rainha e aprender muito. De uma forma geral, considero que tudo que faz parte da cultura cabo-verdiana é bonito”, desabafou.

O clima em Cabo Verde, para Jess, é muito bom já que em Brooklyn as temperaturas são baixas. “Quero ir para Cabo Verde para sentir o cheiro da minha terra, ouvir a música, comer comida cabo-verdiana”, expressou.

Apesar de que se pode fazer tudo isso em Brooklyn, Jéssica afirma que vivenciar esta experiência na terra dos pais seria mais interessante e genuína, pois os cabo-verdianos são um povo simpático.

“Sou mais uma pessoa a tentar fazer as pessoas felizes neste mundo triste”, sublinhou.

AC – Estagiária

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2023: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.