Clube Hípico do Mindelo quer introduzir uma nova modalidade hípica no país – Enduro Equestre

22/11/2022 22:59 - Modificado em 22/11/2022 22:59


O Clube Hípico do Mindelo, São Vicente, quer introduzir uma nova modalidade hípica no país, o Enduro Equestre e também trabalhar para a criação da Federação Equestre de Cabo Verde.

A informação foi avançada pela presidente do clube, Nídia Araújo, no âmbito de uma formação na modalidade promovida pela cavaleira internacional federada, Isabel Nogueira.

Segundo a responsável, trata-se de um projecto pensado para o desenvolvimento do hipismo no país e que brevemente poderão estar a organizar provas em São Vicente e Boavista.

“Há anos, que o clube tem vindo a trabalhar proposito de desenvolver o hipismo. A ideia é sair de apenas realização de corridas de cavalo, que acontece todos os anos e dar o próximo passo”, explicou a mesma fonte. E para isso, apostou nesta modalidade, levando em conta o clima, os cavalos e a nossa realidade.

Com o objetivo de tentar uma diversificação nas provas de cavalo, Nídia Araújo, veterinária de profissão que dirige o clube, garantiu ainda que o enduro Equestre é uma prova de família. Pode ser feita por equipas, grupos e famílias”, realçou Nidia Araújo que acrescentou ainda, que a partir de 14 anos os cavaleiros podem participar.

“É uma prova que pode levaraté um dia, tendo em conta as diferentes etapas”, lançou a responsável que diz que a formação de quatro dias entre 19 a 22 deste mês de Novembro, e neste sentido conseguiram trazer a cavaleira federada internacionalmente na modalidade de enduro e treinadora de cavalos.

A formação contou com participantes das ilhas da Boavista, sal, Santo Antão e São Vicente e assim, conta no próximo ano, arrancar com a primeira prova.

Por ser uma modalidade federada, a responsável pelo Clube Hípico do Mindelo avançou que estão a preparar para a criação da Federação Equestre de Cabo Verde, de forma a conseguir entrar na federação internacional, de forma a seguir em frente no hipismo.

De acordo com Isabel Nogueira as especificações da modalidade, seus fundamentos são simples e a prática proporciona uma interação do homem com o cavalo e dos dois com a natureza.

“Logo após a largada, os conjuntos percorrem trilhas marcadas e as competições se dividem em Velocidade Limitada e Velocidade Livre e quem termina dentro do tempo pré-determinado, ou o mais próximo dele, vence”, explicou a cavaleira.

No entanto, realçou que “é imprescindível que o animal apresente batimento cardíaco baixo e boas condições físicas para o conjunto não ser eliminado”.

A cada etapa do percurso, ou a cada anel, como se chamam as fases da prova, o animal passa pelo vet-check (avaliação veterinária). Portanto, a equipe só libera para dar continuidade à prova se o cavalo apresentar condições de permanecer na trilha. Caso contrário o conjunto sai da competição.

Elvis Carvalho

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.