Andebol/Diáspora: Atleta cabo-verdiano é homenageado com mini-documentário pelo seu clube em Portugal

18/11/2022 16:25 - Modificado em 18/11/2022 16:33

O mini-documentário “271 Dias”, que se estreou ontem, 17 de novembro, conta a história da lesão e recuperação do atleta cabo-verdiano Rafael Andrade “Rafa”, de 26 anos, num percurso desde o momento da lesão, à operação e processo de recuperação até ao tão aguardado regresso, enquanto esteve a representar o clube Póvoa andebol, do distrito do Porto, em Portugal.

O andebol é um dos desportos com maior risco de lesões, e o atleta Rafa, natural da ilha de São Vicente, que atualmente representa o emblema da Póvoa Andebol, não ficou de fora.

O Notícias do Norte sabe que em janeiro deste ano, o atleta foi obrigado a se afastar da modalidade por conta de uma  ruptura de ligamento cruzado, que é uma das lesões mais comuns no joelho, durante um jogo de treino.

Lesão esta que o obrigou a seguir todos os procedimentos médicos para uma rápida e melhor recuperação. “Esta lesão não me permitiu jogar para a seleção de Cabo Verde no CAN. Com isso, houve um processo de tratamento, cirurgia e praticamente fiquei 9/10 meses sem jogar”, avançou Rafael Andrade em declarações ao NN.

A clínica que o ajudou a recuperar aproveitou e fez uma curta-metragem falando da lesão numa fase inicial até a recuperação.

Já o mini-documentário de 35 minutos e 54 segundo, que foi iniciativa do seu clube, traz depoimentos inéditos do próprio, amigos, colegas, corpo médico, presidente do clube, entre outros.

Rafflino, como também é conhecido pelos colegas e amigos, já regressou aos treinos e nesta fase pós-tratamento, está focado em recuperar o fôlego e resgatar a sua velocidade máxima, já que a paragem fez adormecer um pouco do seu potencial.

“Nestes primeiros tempos, estou a trabalhar a respiração por conta do cansaço e voltar a atingir a minha velocidade, já que estou um pouco lento”, disse o atleta que espera rapidamente voltar a dar a sua contribuição à equipa.    

No momento difícil, o jovem sublinhou a importância dos colegas, do presidente do clube e todas as pessoas que estiveram envolvidas de forma direta na sua recuperação, aos familiares, amigos e colegas em Cabo Verde.

Importa referir que em Portugal, Rafflino, que desde fevereiro de 2021 é jogador do Póvoa Andebol Clube, fez parte ainda do clube Avanca, para além de anteriormente ter passado pela equipa B do Porto.

Já em Cabo Verde, a sua paixão pelo andebol começou quando ainda era aluno na Escola Secundária José Augusto Pinto em Monte Sossego. No entanto, o seu único clube de andebol sénior no arquipélago, foi a equipa de Atlético de Mindelo.

assista ao vídeo

AC – Estagiária  

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.