São Vicente: Escola SESARAM quer continuidade de formação e intercâmbios com profissionais cabo-verdianos da saúde (c/áudio)

31/10/2022 23:50 - Modificado em 31/10/2022 23:50
| Comentários fechados em São Vicente: Escola SESARAM quer continuidade de formação e intercâmbios com profissionais cabo-verdianos da saúde (c/áudio)

A representante da Escola do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (Escola SESARAM) garantiu hoje, no Mindelo, “total disponibilidade” da instituição em continuar formações e intercâmbios com profissionais da saúde de Cabo Verde.

Regina Rodrigues mostrou esse desejo em entrevista à Inforpress durante a abertura do curso em suporte avançado e suporte imediato da vida destinado a médicos e enfermeiros da região do Barlavento, ministrado por formadores da SESARAM, em parceria com a Direcção Nacional da Saúde de Cabo Verde e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo a mesma fonte, é um “prazer” estar de novo em Cabo Verde, quando em Julho último estiveram na Cidade da Praia a realizar a mesma formação, que deverá abarcar, no total, 72 profissionais cabo-verdianos, entre médicos e enfermeiros.

“O curso versa o treino individual e em equipas para situações de doentes críticos e de situações de paragem cardiorrespiratória”, explicou Regina Rodrigues, adiantando serem ainda contemplados aspectos como abordagem da via aérea, compressões torácicas, desfibrilação e acesso intra-óssea.

Por outro lado, acrescentou, os profissionais estarão a ser treinados em capacidade de liderança, de antecipar situações que podem resultar em paragens respiratórias, de forma a actuar atempadamente.

“Somos uma escola europeia e estamos disponíveis para colaborar com Cabo Verde e através do Centro de Simulação Clínica da Madeira, que tem uma presença muito forte em termos de formação através da simulação”, justificou a representante portuguesa.

Isto porque, acredita, “actualmente não é aceitável que os profissionais treinem nos doentes e sim, sempre que possível, é preciso treinar nos simuladores, quantas vezes forem necessárias, para depois ser mais fácil a abordagem do doente”.

E são esses conhecimentos que estão a ser passados por dez médicos e enfermeiros da Madeira, que, admitiu Regina Rodrigues, fez o mesmo percurso que Cabo Verde há cerca de 20 anos e que optou por construir uma escola e também um centro de simulação clínica na região, duas ferramentas, que, asseverou, permitem fazer formações “de forma continuada e actualizada”.

A responsável da SESARAM disse ter encontrado profissionais cabo-verdianos “interessados e empenhados”, que “trabalham em situações de grande isolamento e se mostram verdadeiros heróis, de fazer tanto, com tão pouco” e com quem quer continuar a fazer intercâmbios e trocar conhecimentos.

Por seu lado, o director Nacional da Saúde, Jorge Noel Barreto destacou à Inforpress a importância de dotar os médicos e enfermeiros de técnicas e procedimentos que podem salvar vidas de pessoas em alguma condição em que é preciso uma “intervenção rápida e feita de forma assertiva”.

Segundo a mesma fonte, as autoridades cabo-verdianas têm vindo a realizar curso do tipo para suporte de vidas, mas, é “sempre bom” fazer a actualização, uma vez, que há mobilidade de profissionais e outros que entram pela primeira vez.

Por isso, Jorge Noel Barreto fala na possibilidade de alargar o protocolo com a Região Autónoma da Madeira a outras áreas, não somente a emergência médica, tendo em conta as semelhanças por ser arquipélago como Cabo Verde.

O curso, que decorre no Mindelo até 01 de Novembro, deverá formar 22 médicos e 19 enfermeiros da região do Barlavento e os dotar de uma certificação internacional com durabilidade de cinco anos, assegurou a representante madeirense, Regina Rodrigues.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.