Germano Almeida entre os jurados do Prémio de Revelação Literária UCCLA-CMLisboa – Portugal

21/09/2022 22:35 - Modificado em 22/09/2022 07:40
Alfragide, 7/6/2018 – Germano Almeida escritor cabo-verdiano em entrevista no grupo Leya. Advogado, vive em São Vicente e venceu em 2018 o Prémio Camões. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

O escritor cabo-verdiano Germano Almeida é um dos membros do júri da 8ª edição do Prémio de Revelação Literária UCCLA-CMLisboa – Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa, com inscrições abertas até 07 de Janeiro de 2023.

Em comunicado enviado à Inforpress, Portugal, a União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA) explica que o Prémio de Revelação Literária UCCLA-CMLisboa tem como objectivo “estimular a produção de obras literárias” nos domínios da prosa de ficção (romance, novela, conto e crónica) e da poesia, em língua portuguesa, por escritores que nunca tenham publicado uma obra literária.

Segundo a mesma fonte, fazem parte do júri “reconhecidas personalidades do mundo literário e cultural de língua portuguesa”, como o cabo-verdiano Prémio Camões Germano Almeida, Domício Proença (Brasil), Hélder Simbad (Angola), Inocência Mata (São Tomé e Príncipe), José Pires Laranjeira (Portugal), Luís Carlos Patraquim (Moçambique), Luís Costa (Timor-Leste), Tony Tcheka (Guiné-Bissau) e Yao Jing Ming (Macau).

Rui Lourido, representante da UCCLA, e João Pinto de Sousa, representante do Movimento 800 Anos de Língua Portuguesa, também fazem parte do corpo do júri.De acordo com a UCCLA, são admitidas candidaturas de concorrentes que sejam pessoas singulares, de qualquer nacionalidade, fluentes na língua portuguesa, com idade não inferior a 16 anos.

No caso dos menores de 18 anos, a atribuição de prémios ficará sujeita à entrega de declaração de aceitação pelos respectivos titulares do poder paternal, sendo que a participação na iniciativa deverá ser feita “até às 24:00 do dia 07-01-2023, por correio electrónico, para o endereço premioliterario@uccla.pt”.

O referido prémio, criado em 2015, é uma iniciativa da UCCLA em conjunto com o Movimento 800 anos da Língua Portuguesa.

Em 2020 foram estabelecidas duas parcerias, sendo uma com a editora Guerra e Paz, que passará a responsabilizar‐se pela edição da obra premiada, e outra com a Câmara Municipal de Lisboa (CML), no âmbito do Festival Literário de Lisboa ‐ 5L.

Os vencedores da 7ª edição do Prémio de Revelação Literária UCCLA/CMLisboa-Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa foram as obras “Caligrafia”, texto de poesia da autoria de Alexandre Siloto Assine (brasileiro, de 34 anos), e “Três Dias em Fevereiro”, um romance de Ricardo Manuel Ferreira de Almeida (português, de 49 anos).

A 7ª edição reuniu 281 candidaturas, de 15 países, incluindo os países lusófonos, assim como obras vindas da Ásia (Japão), África (PALOP), América (Canadá, EUA) e Europa (Suécia, Suíça, Eslovénia).

Nas edições anteriores, as obras vencedoras foram, em 2021, “O Sonho de Amadeu”, de Leonardo Costa Oliveira, Brasileiro, ed. Guerra e Paz, em 2020, “O Heterónimo de Pedra”, de Henrique Reinaldo Castanheira, Português, ed. Guerra e Paz, e em 2019, “Praças”, de António Pedro Serrano de Sousa Correia, Português e natural de Angola, ed. A Bela e o Monstro.

Em 2018, “Equilíbrio Distante”, de Óscar Maldonado, de nacionalidade Paraguaia, a residir em São Paulo, no Brasil, ed.

A Bela e o Monstro, em 2017, “Diário de Cão” de Thiago Rodrigues Braga, de nacionalidade Brasileira, natural de Corumbá, Goiás, Brasil, ed. A Bela e o Monstro e em 2016, “Era uma vez um Homem” de João Nuno Azambuja, de nacionalidade Portuguesa, ed. A Bela e o Monstro.

Inforpress

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.