Morreu astronauta russo recordista da viagem mais longa ao espaço

20/09/2022 11:40 - Modificado em 20/09/2022 11:40
© Getty

Valery Polyakov passou 437 dias inteiros, entre 1994 e 1995, na estação espacial Mir. O recordista russo fez parte de experiências que pretendiam aferir se as pessoas poderiam manter a sua saúde mental caso se fizesse uma longa viagem até Marte.

Na sua expedição de 14 meses, os testes concluíram que não houve comprometimento da sua função cognitiva.

Segundo a BBC, a morte de Polyakov de 80 anos, foi anunciada pela agência espacial russa Roscosmos, que fez referência aos seus títulos honorários, incluindo o de herói da União Soviética e de piloto-cosmonauta da URSS.

A causa da morte de Polyakov não foi divulgada.

A Roscosmos acrescentou, numa publicação no Telegram, que a pesquisa de Polyakov ajudou a provar que o corpo humano pode lidar com voos muito além da órbita da Terra, no espaço profundo.

Polyakov nasceu em 1942 em Tula, qualificando-se primeiro como médico e depois como cosmonauta. A sua primeira missão foi em em agosto de 1988, tendo estado oito meses em órbita. O recorde – que se mantém até hoje – seria batido seis anos depois.

Viveu e trabalhou na estação espacial Mir, de 8 de janeiro de 1994 a 22 de março de 1995, fazendo a órbita da Terra mais de 7000 vezes. O próprio Polyakov disse que a duração dessa viagem era o equivalente a ir a Marte e voltar.

noticiasaominuto

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.