UE espera “passo importante” com acordo para desbloquear cereais

22/07/2022 15:58 - Modificado em 22/07/2022 15:58
| Comentários fechados em UE espera “passo importante” com acordo para desbloquear cereais
© IONUT IORDACHESCU/AFP via Getty Images

A diplomacia da União Europeia (UE) espera um “passo importante” esta tarde com o esperado acordo para desbloquear exportações de cereais retidas em portos ucranianos pela Rússia após a invasão da Ucrânia, afirmou a Comissão Europeia.

“Se isto acontecer, se isto for implementado, será um passo importante a fim de aliviar uma das consequências muito negativas que Putin e a sua guerra trouxeram à comunidade mundial com a sua agressão ilegal contra a Ucrânia”, declarou o porta-voz da Comissão Europeia para os Negócios Estrangeiros, Peter Stano.

Questionado sobre o anúncio relativo a este acordo, Peter Stano recordou que a UE tem “apoiado ao longo de todos os esforços liderados pelas Nações Unidas e facilitados também pela Turquia para lidar com a questão do bloqueio das exportações ucranianas por parte da Rússia, especialmente quando se trata de trigo e cereais”.

A Ucrânia e a Rússia preparam-se para assinar um acordo, hoje em Istambul, que irá permitir a exportação de cereais ucranianos, bloqueados nos portos do Mar Negro devido à guerra e que fazem falta nos mercados mundiais.

O acordo foi negociado durante os últimos dois meses sob mediação da Turquia e das Nações Unidas.

A iniciativa surge numa altura de confronto armado na Ucrânia devido à invasão russa e de bloqueio das exportações nos portos ucranianos, tensões geopolíticas que estão a afetar cadeias de abastecimento, causando receios de rutura de ‘stocks’ e de crise alimentar.

Tanto a Ucrânia como a Rússia são importantes fornecedores dos mercados mundiais, especialmente de cereais e óleos vegetais, como trigo, cevada e milho, sendo que Kiev é também responsável por mais de 50 por cento do comércio mundial de óleo de girassol e um importante fornecedor de ração para a UE.

Estima-se que milhões de toneladas de trigo estejam retidas na Ucrânia, sendo que a exportação habitual ucraniana neste setor era de cinco milhões de toneladas de trigo por mês.

Segundo a Comissão Europeia, não existe uma ameaça imediata à segurança alimentar no espaço comunitário, uma vez que a UE é um grande produtor e um exportador líquido de cereais.

Ainda assim, Bruxelas reconhece o impacto imediato relacionado com o aumento dos custos ao longo de toda a cadeia de abastecimento alimentar, pela rutura dos fluxos comerciais de e para a Ucrânia e Rússia, bem como as consequências na segurança alimentar global.

Para a vizinhança da UE, no norte de África e no Médio Oriente, tanto a disponibilidade como a acessibilidade de preços estão em risco no que toca ao trigo, o alimento básico, o que também acontece na Ásia e na África subsaariana.

O norte de África e o Médio Oriente importam mais de 50% das suas necessidades de cereais da Ucrânia e da Rússia.

Noticias ao Minuto

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2023: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.