Epidemias em África causadas por doenças de origem animal cresceram 63%

14/07/2022 16:38 - Modificado em 14/07/2022 16:38
| Comentários fechados em Epidemias em África causadas por doenças de origem animal cresceram 63%

A Organização Mundial de Saúde (OMS) em um comunicado, revelou hoje que o número de epidemias em África causadas por doenças com origem em animais cresceu 63% na última década, comparando com a anterior, de 2001 a 2011.

A nota da revela que, de acordo com uma análise da OMS, “o número de epidemias zoonóticas aumentou 63% na região durante a década de 2012-2022 em comparação com 2001-2011”.

A mesma análise avança também que entre 2001 e 2022, a OMS registou 1.843 casos de saúde pública em África e “30% desses casos foram surtos de zoonoses”.

“Um pico específico” destes surtos verificou-se, porém, em 2019 e 2020, altura em que os patógenos zoonóticos representaram cerca de 50% dos episódios de saúde pública, precisa.

O vírus Ébola e outras febres hemorrágicas virais representam “quase 70% desses surtos, incluindo dengue, antraz, peste, varíola dos macacos e uma série de outras doenças”.

Os dados mais recentes sobre a varíola revelam um aumento significativo de casos da doença desde Abril de 2022, em comparação com o mesmo período de 2021.

No entanto, “essa tendência de aumento permanece menor do que em 2020, quando a região registou o maior número de casos mensais de varíola” e “no geral, os casos de varíola dos macacos estão a aumentar desde 2017, exceto em 2021, quando foi observada uma queda repentina”, salientou a OMS.

De 01 de Janeiro a 08 de Julho de 2022, foram registados 2.087 casos acumulados de varíola dos macacos, dos quais apenas 203 foram confirmados, revelou a OMS.

“Infeções transmitidas por animais que se transferem para humanos existem há séculos, mas o risco de infeções em massa e mortes era relativamente limitado na África”, sublinhou a organização.

A explicação para esta situação pode estar no facto de que “as infraestruturas de transporte precárias eram uma barreira natural”, disse Matshidiso Moeti, diretor regional da OMS para a África, citado no comunicado.

“No entanto, com o transporte melhorado na África, a ameaça de patógenos zoonóticos, que se deslocam para os principais centros urbanos, aumentou. Devemos agir agora para conter as zoonoses antes que possam causar infeções generalizadas e impedir que a África se torne o epicentro de doenças infecciosas emergentes”, defendeu.

Isto apesar de a OMS considerar que conter a disseminação de doenças de origem animal na África “é complexo”. Por isso, recomendou “uma abordagem única à saúde que requer a colaboração de diversos setores, disciplinas e comunidades”.

Isso envolve uma ampla gama de especialistas, incluindo aqueles que trabalham em saúde humana, animal e ambiental. Os epidemiologistas e outros especialistas em saúde pública devem partilhar informações relacionadas com atividades rotineiras de vigilância e resposta a doenças, tanto para a saúde animal quanto para a saúde humana, considerou.

Mas, para a organização, “há também a necessidade de mais pesquisas para identificar os fatores ambientais, socioeconómicos e culturais que promovem o surgimento e a transmissão de doenças propensas a epidemias e para entender melhor os fatores que influenciam o impacto e a propagação de epidemias, incluindo o estado imunológico, nutrição, resistência genética e antimicrobiana”.

Desde 2008, a OMS fortaleceu a sua colaboração regional com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e a Organização Mundial de Saúde Animal para apoiar os esforços de resposta a surtos de doenças zoonóticas na África.

Recentemente, as três agências trabalharam juntas durante o 14.º surto de Ébola, na RDCongo, que já terminou.

Lusa

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2023: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.