Moradores da zona de Portelinha desconfiados com processo de seleção dos beneficiários do complexo habitacional da zona

6/05/2022 00:36 - Modificado em 6/05/2022 00:36
| Comentários fechados em Moradores da zona de Portelinha desconfiados com processo de seleção dos beneficiários do complexo habitacional da zona
@Expresso das ilhas

Quase quatro meses após a entrega do complexo habitacional da zona de Portelinha ao Governo, que compreendeu a construção de 88 moradias sociais, ainda não há ninguém beneficiado com as moradias, que conforme dizem os moradores “estão a ser ocupadas por pombas”.

Por outro lado, sem avançar uma data concreta, o vereador da área social da Câmara Municipal de São Vicente, garantiu que o processo está a seguir de forma normal, e avançou ainda que envolve os Ministérios da Infraestruturas, Habitação e Coesão Territorial e Ministério da Família.

Desde do dia 19 de janeiro que as “chaves” do complexo foram entregues ao Governo e desde da data, os moradores das casas de lata da zona estão expectantes sobre a seleção dos beneficiários que irão usufruir do espaço construído, a partir de um acordo técnico e económico assinado com a Agência de Cooperação Internacional da China.

Dizem que já foram à várias reuniões na CMSV, tal como entram saem. Sem nenhuma informação que lhe dê alguma luz sobre o futuro das habitações, que como esperam devem ser entregues às pessoas que moram no local e que vivem em condições pouco dignas.

“Quando foram entregues muitas pessoas estavam empenhados nesta seleção, mas até agora nada. E se fossem para nós já tinham avançado alguma informação ou sido disponibilizados. São reuniões atrás de reuniões na câmara, contudo sem nenhuma decisão que nos faça crer que seremos beneficiados”, avançou um dos moradores.

“Tem pessoas que moram em condições precárias. O local está fechado e quem vive no local são as pombas”, zomba outro morador que diz que os moradores daquele bairro, já não acreditam nesta seleção.

De referir que na altura da recepção do complexo habitacional, no dia 19 de janeiro deste ano, o presidente da Câmara Municipal de São Vicente apontou à importância da “habitação digna”, definindo-a como um dos principais desafios da autarquia.

“Em São Vicente, temos um défice alargado de cerca de 8 mil fogos [habitações], é uma grande responsabilidade, uma grande luta, mas de certeza que a Câmara Municipal, juntamente com o governo e os países amigos, vamos lutar para ultrapassar esta situação e poder melhorar a qualidade de vida da população”, afirmou.

O complexo habitacional da Portelinha é composto por apartamentos de tipologia T2, com uma área de 90m2 cada, formados por dois quartos, uma casa de banho, sala de estar, uma cozinha e uma arrecadação.

As casas estão divididas em 11 blocos, agrupados em quatro conjuntos, com espaços verdes, parque infantil e estacionamento.

EC

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2023: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.