São Vicente: Baile Popular na Rua de Lisboa proibido

28/12/2021 12:31 - Modificado em 28/12/2021 15:41

Um assunto que suscitou bastante discussão no seio da sociedade civil, a organização da festa do fim de ano na Rua de Lisboa, São Vicente, já não vai acontecer por determinação do governo, após decretar esta manhã estado de contingência em todo o país.

Com esta decisão, o primeiro-ministro foi taxativo em responder aos jornalistas que “não vai haver festa na rua, quer em São Vicente, ou em qualquer parte do território nacional”, afirmou Ulisses Correia e Silva.

Em relação aos outros eventos, para as quais são exigidas testes de PCR negativo, ou antígeno válido com resultado negativo, e ainda a apresentação do certificado de vacinação da Covid-19, ou comprovativo de recuperação com a segunda dose de vacina, só serão permitidas a sua realização, em espaços que pela sua localização, permitem a sua efetiva delimitação do evento e o rigoroso controlo de entrada de participantes de modo a se proceder com a certificação destes documentos.

Para garantir o cumprimento destas regras, Ulisses Correia e Silva reconheceu que isso vai exigir o reforço da fiscalização. Contudo anunciou que vão ser identificados os promotores dos grandes eventos, para garantir a aplicação das medidas e que de facto, sejam exigidos testes e certificados de vacinação.

Não serão autorizadas pelos Delegados de Saúde, a realização de espetáculos, festivais, festas e todas as demais atividades realizadas em espaços fechados e cobertos com mais de quinhentos participantes e/ou espetadores.

A partir do dia 2 de Janeiro, os estabelecimentos de consumo de bebidas alcoólicas, o atendimento ao público em restaurantes, locais de venda ou consumo de refeições rápidas e similares podem funcionar até às 23h59m. Ainda o funcionamento dos estabelecimentos autorizados a operar enquanto lounge bar é permitido até às 23h59m, nos dias úteis e até às 02h00m, de sábados e vésperas de feriados.

A partir do dia 2 de Janeiro, o funcionamento dos estabelecimentos autorizados a operar enquanto discotecas é permitido até às 03h00m. O mesmo limite de horário se aplica a espetáculos.

Em quaisquer dos casos – bares, restaurantes, lounge bares e discotecas – é obrigatório a apresentação de Certificado COVID válido de teste, de recuperação ou de vacinação com duas doses da vacina administrada.

  1. Atento

    Então quer dizer que o Sr. Augusto Neves tomou a decisão de fazer a festa, sem consultar o chefe do governo e as autoridades sanitárias? Cabo Verde é tudo descordenado, é um pais de brincadeira… tambem o povo ignorantim ( não estudam, não conhecem a historia de Cabo Verde e nem da Africa, nada nada) merece os sucessivos governos que tem desgovernado esta pobre terrinha..

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.