Mau tempo e avaria do Navio “Dona Tututa” deixa passageiros retidos em São Vicente durante uma semana

5/12/2021 23:28 - Modificado em 6/12/2021 00:11
| Comentários fechados em Mau tempo e avaria do Navio “Dona Tututa” deixa passageiros retidos em São Vicente durante uma semana

Os vinte e cinco artesãos participantes da 6ª edição da Feira de Artesanato e Design de Cabo Verde (URDI), fazem parte dos passageiros da CV inter ilhas, que estão retidos na ilha de São Vicente, desde do dia 29, um dia após encerramento da feira, que aconteceu no dia 28, e que deveriam ter seguido viagem no dia seguinte. São artesãos da ilha de Santiago, Boavista, Fogo e São Nicolau.

Conforme o porta-voz destes profissionais, Gustavo Duarte, todos vieram com passagens de ida e volta, agendado para o dia 29 de Novembro, mas até hoje, 06 de dezembro, continuam retidos na ilha de São Vicente. Uma situação que os deixou indignados, tendo em conta que têm famílias e trabalho à espera nas suas ilhas de residência.  

“O problema neste momento é a família. Temos aqui mães que deixaram seus filhos, pais que deixaram seus filhos. Além de mais temos o nosso trabalho parado, sem produzir e ninguém vai arcar com o tempo que ficamos parados sem produzir, desabafa este artesão.

Com o término da feira, conta que estavam a preparar a viagem, quando receberam um comunicado da CV Inter Ilhas, informando que a viagem do Navio Dona Tututa havia sido adiada para o dia seguinte, 30.

“A situação é mais grave, quando pensamos que íamos viajar com um dia de atraso, recebemos outro comunicado, que devido ao mau tempo não é possível o barco viajar”, refere este passageiro, que reconhece não terem gostado da ideia, mas aceitaram, embora não tivessem escolha. “Não gostamos, mas entendemos, porque preferimos passar o mau tempo em terra que no mar, porque contra natureza não se brinca”, salientou.

Contudo, para o espanto do grupo, quando o tempo começou a mudar pensaram que iam viajar, foram, outra vez, comunicados, que não iriam viajar, desta vez de uma avaria de ordem mecânica no navio.  

Gustavo Duarte diz que desde de segunda-feira, estão a ser suportados pelo promotor da URDI, o Centro Nacional de Arte, Artesanato e Design, na pessoa do seu diretor, Irlando Ferreira.

No entanto acredita que esta responsabilidade deveria ser assumida pela CV Inter Ilhas, e cita a título de exemplo o cancelamento de voos, em que a companhia aérea é que tem a responsabilidade de arcar com as despesas, enquanto aguardam viajar. “Quando é cancelado, a companhia se responsabilizaria e seríamos levados para um hotel, e dado tratamento”, critica Gustavo Duarte.

E até agora, além do comunicado da CV Inter-ilhas, alegam que não tiveram mais nenhuma comunicação da empresa. “E não sabemos quando vamos viajar”.

Quem também está nesta situação é a vendedora Dulce que diz que foi pessoalmente pedir informações sobre a viagem, mas foi informada no local, que não sabem quando o barco vai viajar. Algo que ela chama de “palhaçada”, um “barco que chegou há pouco tempo, tem mais problema mecânico que todos os outros”, critica esta profissional que estava na ilha em consulta, mas que precisa regressar, porque tem filhos e trabalho à espera.

“Eles não sabem quando o barco fica pronto para viagem, e ainda disseram que se quiséssemos, eles reembolsariam o dinheiro da passagem. Mas não quero dinheiro, quero viajar, porque tenho dois filhos menores e um trabalho, que nem sei se vou encontrar, já que faltei durante uma semana consecutiva, embora tenha avisado”, afirma.

Sobre esta problemática, dizem não se admirar porque os cabo-verdianos não fazem muito turismo interno. “Como teremos um turismo interno. Como um cabo-verdiano que quer conhecer as outras ilhas, com possibilidade de pagar passagem de barco, vai viajar, se quando vais e o regresso é quando calhar”, questiona.

Na sua Página na rede social, a empresa responsável pelos transportes marítimos não tem mais nenhuma informação sobre esta situação.

EC

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.