Ulisses Correia e Silva desloca-se à Nigéria para inaugurar embaixada de Cabo Verde em Abuja

18/11/2021 11:54 - Modificado em 18/11/2021 11:54
Ulisses Correia e Silva

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, desloca-se hoje à Nigéria, para uma visita de 24 horas, tendo igualmente na agenda a inauguração da primeira embaixada de Cabo Verde naquele país da África Ocidental.

Segundo o chefe do Governo cabo-verdiano, a embaixada, que será sedeada na capital nigeriana Abuja, também vai reforçar a presença diplomática do arquipélago junto da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

“Vai permitir maior proximidade de estarmos por dentro dos dossiês, daquilo que são as decisões e influenciar também”, precisou o governante, em declarações à RCV, perspectivando que o País terá uma presença “mais activa e mais forte”, na região oeste africana, de que faz parte.

Ulisses Correia e Silva confirmou ainda que o estudo encomendado sobre a inserção de Cabo Verde na CEDEAO já está concluído e que a meta é provar que o arquipélago precisa de um estatuto diferenciado por ser o único país arquipelágico.  

“Não só a nível das vulnerabilidades, a nível também de projectos que muitas vezes são realizados a nível do continente, mas não beneficiam, por exemplo, Cabo Verde. São projectos no sector rodoviário, ferroviário, tudo que são infra-estruturas continentais e que não beneficiam Cabo Verde”, sustentou.

A criação da moeda única, a tarifa externa comum, a própria livre circulação, na óptica do chefe do Governo são questões que devem igualmente levar em conta o facto de Cabo Verde ser um pequeno país insular e que deve fazer valer também as suas especificidades.

Segundo Ulisses Correia e Silva, todas essas questões estão sobre a mesa para uma discussão mais aprofundada com os parceiros e com os participantes da CEDEAO.

Admitiu, entretanto, que não é um trabalho “fácil” porque a CEDEAO é constituída por países continentais, muitos dos quais não têm um conhecimento aprofundado sobre a realidade cabo-verdiana.

“Não estou a falar apenas dos políticos, mas da sociedade, dos empresários, das pessoas. Precisamos que este conhecimento exista de uma forma mais intensa. Vir a Cabo Verde ou ter informação sobre Cabo Verde e ‘in loco’ saberem que temos especificidades pelo facto de sermos ilhas, arquipélago, e termos condições diferenciadas relativamente à nossa geografia e economia”, propôs.

Inforpress

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.