São Vicente: Neuropediatra defende maior investimento nas salas de recurso em Cabo Verde para atender crianças com dificuldades de aprendizagem

12/11/2021 00:01 - Modificado em 12/11/2021 00:14
| Comentários fechados em São Vicente: Neuropediatra defende maior investimento nas salas de recurso em Cabo Verde para atender crianças com dificuldades de aprendizagem

Neuropediatra defende maior investimento nas salas de recurso em Cabo Verde para atender crianças com dificuldades de aprendizagem.

A posição foi defendida pela médica Rita Lopes da Silva, Neuropediatra no hospital Dona Estefânia- Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central a margem de uma conferência sobre a “Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção em Idade Escolar”, que visa sensibilizar a população sobre a doença.

Em declarações à imprensa, a Neuropediatra disse que por ser uma área que exige uma grande resposta dos pais, da escola, da sociedade e do sistema de saúde, e por ser desafiante para todos, defende um esforço “concertado para conseguir ajudar essas crianças” e para isso destaca o trabalho feito pelas salas de recurso existentes no país, mas que no seu entender é preciso de maior investimento nesta área.

“Em Cabo Verde já existem algumas salas de recurso, mas talvez fruto da pandemia não estejam a funcionar muito bem. As turmas são muito grandes, e crianças que têm uma dificuldade de aprendizagem que vão aprender num ritmo mais lento do que outras e que precisam do apoio individualizado, precisam de um maior apoio dessas salas de recurso”, e para que isso aconteça afirma Rita Lopes da Silva “é preciso um maior investimento nesta área”.

Diz que as crianças que são levadas ao Hospital Baptista de Sousa com dificuldade de aprendizagem podem ter diversas causas resultantes de um atraso de desenvolvimento, de dificuldades intelectuais, de um défice cognitivo. “Mas há outros tipos de dificuldades”, sustenta a especialista, que aponta questões socioeconómicas e culturais “que têm impacto na capacidade de aprender”.

Outras, prossegue, ainda são crianças que têm alguma doença cerebral, como a paralisia cerebral, epilepsia e por terem essa doença, frisa Rita Lopes da Silva, têm um impacto da sua capacidade de aprendizagem.

A conferência sobre a “Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção em Idade Escolar” é destinada aos médicos, terapeutas, professores, educadores, pais e outros familiares e decorre no âmbito da cooperação, Portugal – Cabo Verde em Neuropediatria.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2022: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.