Governo promete medidas para “amortecer” o choque do aumento das tarifas da eletricidade

9/09/2021 21:41 - Modificado em 9/09/2021 21:41

O ministro da Indústria, Comércio e Energia garantiu hoje que, mesmo com o aumento do preço anunciado pela ARME, “ninguém vai pagar mais” pela eletricidade do que pagava antes da pandemia da covid-19, iniciada em 2019.

“Atualmente, em vários países com regime de preços transparentes, as pessoas estão a pagar mais do que pagavam pelo consumo de eletricidade no início da pandemia. Em Cabo Verde, mesmo com este aumento anunciado e decidido pela ARME, ninguém vai pagar mais do que pagava no início da pandemia, isto graças a políticas adotadas por este Governo de proteção à economia, às famílias e às pessoas”, explicou Alexandre Monteiro.

O governante, que falava em conferência de imprensa na Cidade da Praia, convocada para reagir a variação do preço da eletricidade na ordem de mais de 30%, adiantou que desde o início da pandemia até hoje houve duas reduções consecutivas no preço da energia, com o País a chegar a tarifa de eletricidade “mais baixa de sempre” na história de Cabo Verde.

“Com a retoma das actividades no mundo houve um ajustamento de preço e, portanto, regressamos com essa atualização. No mês de Março de 2019 pagava-se pela tarifa de baixa tensão cerca de 24 escudos e a tarifa fixada agora com esse aumento passou de 18 para 24 escudos. Mas antes já custava 24 escudos por kwh”, sustentou.

Para Alexandre Monteiro, a questão que se coloca neste momento é a variação, já que as descidas foram registadas em duas etapas e a subida, agora, em apenas uma etapa.

Por isso, indicou que o Governo vai tomar medidas necessárias e que serão anunciadas ainda antes da entrada em vigor das novas tarifas, em Outubro, para “proteger e amortecer” esse choque, com impacto na redução do preço de eletricidade, sobretudo para o seguimento da população mais vulnerável.

NN com Inforpress

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.