Manutenção dos meios navais da Esquadrilha Naval são os principais desafios da nova comandante

1/09/2021 17:23 - Modificado em 2/09/2021 01:07
| Comentários fechados em Manutenção dos meios navais da Esquadrilha Naval são os principais desafios da nova comandante

A Capitã Carina Abade Lopes Baptista é a primeira mulher a assumir o comando da Esquadrilha Naval da Guarda Costeira de Cabo Verde.  A cerimónia de investidura no cargo foi presidida pelo Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Major-General Anildo Morais, em Mindelo. Ela substitui no cargo o capitão José Mário Tavares no termo normal do cumprimento da sua missão neste posto.

Discursando no ato de posse, o Chefe de Estado Maior Anildo Morais augurou para a nova comandante uma renovada ambição “mais positiva e criativa no sentido de transformar os problemas em oportunidade e em soluções exequíveis e realistas”.

Concretizando essa expetativa Anildo Morais indicou ser “necessário que se execute a rentabilização de meios e capacidades e que se possa adotar uma postura de cooperação com os demais comandos e serviços das Forças Armadas”, reconhecendo ser necessário assumir e resolver os complicados desafios vividos por essa entidade militar em relação à manutenção dos meios navais.

Segundo ele,  “mais do que a aquisição de meios, é necessário a criação de condições para que a manutenção seja constante e adequada para garantir os meios operacionais e o treinamento necessário à execução das difíceis tarefas que lhe são incumbidas.

O comando da Esquadrilha Naval da Guarda Costeira dispõe de sete navios, um dos quais com capacidade oceânica e um efetivo de 95 militares.

Perspetivando a sua nova missão, a nova comandante referiu-se aos constrangimentos resultantes da limitação dos recursos para cobrir uma área marítima tão vasta, uma situação que resulta naturalmente das limitadas condições financeiras que caracterizam toda a realidade da instituição militar e não só.

Conforme fez questão de afirmar, “a capacidade de manutenção dos meios navais tem representado a fragilidade do Comando da Esquadrilha Naval, resultante da escassez de recursos afeta e influencia expressivamente a capacidade de resposta da Guarda Costeira”.

Por outro lado, garantiu ao efetivo que passa agora a liderar a “serenidade” no comando, e uma “a postura positiva perante novos desafios, acreditando no fortalecimento do trabalho em equipa no sentido de cumprirmos e partilharmos o sucesso das missões a nós confiadas”.

Elvis Carvalho

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.