Dezoito anos e vacinado/a: internautas discutem legalidade da obrigatoriedade do certificado Covid-19

3/08/2021 02:01 - Modificado em 3/08/2021 02:01
| Comentários fechados em Dezoito anos e vacinado/a: internautas discutem legalidade da obrigatoriedade do certificado Covid-19

O certificado de vacinação contra a covid-19, que vai ser obrigatório para entrar em discotecas e outros locais lotados em Cabo Verde tem, gerado por estes dias, uma forte discussão nas redes sociais, com alguns a defender a medida e outros contra, alegando que a vacinação deveria ser uma escolha e não uma obrigação.

A plataforma Certificado Covid-19 lançado esta segunda-feira, reafirma o propósito do governo em implementar esta medida, de forma a “preservar a estabilidade da situação epidemiológica, a alavancagem do processo de retoma da vida social, a recuperação económica e a manutenção dos empregos”, além de “incentivar a adesão das pessoas ao processo de vacinação”.

Para ter acesso a algumas atividades de lazer, incluindo bares e restaurantes, foi instituído esta estratégia, que segundo o executivo, tem como objetivo incentivar os jovens a tomarem a vacina contra a covid-19.

A ideia, segundo os internautas é manipular a população. Estes defendem que não é uma escolha, porque no momento que se tenta manipular o povo desta forma, é uma obrigação, já que para entrar em alguns locais de diversão, tem que comprovar estar vacinado.

Entretanto apesar desta contestação, muitos defendem que não são contra a vacinação e sim a “favor do poder de escolha”.

“Em relação a vacina, temos informação suficiente de como é que ela funciona. Então não faz sentido falar que se “ela (vacina) é bom quer dizer que pessoas que escolheram tomar não vão ficar prejudicados por quem não tomou certo? Se já sabemos que a vacina não impede de alguém apanhar o vírus, mas sim ajuda drasticamente em casos críticos, ou seja diminui mortalidade e não impedir que aconteça. Claro que se pessoas não tomarem a vacina ficam mais vulnerável e põe em causa outras vidas”, rebate ouro internauta sobre as posições contra.

Por outro lado, defendem que não é uma obrigação tomar vacina, mas tendo em conta o bem comum, o Governo, sustentam, optou criar limitações as pessoas que não queiram tomar a referida vacina. “Ninguém está a obrigar ninguém a nada. Mas quem não tomar a vacina, fica limitado a circular em determinados espaços”.

De referir que a Direção Nacional de Saúde, esclareceu que a vacina não é cura para Covid-19 e que a vacinação impede, principalmente no caso de contágio, não haja uma evolução para casos mais graves.

Portanto, defendem que o Governo está a agir da melhor forma e “muito bem”, salientando que é uma escolha de cada um tomar ou não e ao mesmo tempo, uma escolha do governo para onde devem circular.  

“Vacinação não é obrigatório. Quem quiser não toma a vacina, mas fica limitado, sendo que a partir de agora na qualquer parte do mundo, vai ser assim, apenas com certificado de vacinação, ou com certificado de covid-19”.

E que a questão pessoal defendem, fica de lado quando se lida com o bem coletivo. “Questão não é a tua escolha pessoal estar acima do bem comum, já que toda a comunidade científica é unanime em afirmar, que a Pandemia só vai ser controlado com a vacinação”, logo ela não deve ser vista como uma escolha pessoal e sim um dever cívico.

Conforme informações oficiais do governo, o Certificado COVID é um documento comprovativo do baixo risco de o seu titular ser doente ativo, e servirá como medida de facilitação da circulação e da realização de eventos e atividades no contexto da pandemia.

O Certificado COVID de Cabo Verde vai ser emitido pelo Ministério da Saúde, de forma gratuita, (excepto quando se trate de uma segunda via em caso de perda do documento original ou de um pedido de emissão em suporte papel).

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.