Vigilantes das empresas Silmac e Sepricav podem ir para a greve devido a não mudança de categoria profissional

24/06/2021 17:50 - Modificado em 24/06/2021 17:50

Os vigilantes das empresas se segurança privadas de São Vicente, Silmac e Sepricav, podem avançar para uma greve nas próximas duas semanas, por não serem cumpridas as mudanças de categoria profissional, que têm de ser feitas de 3 em 3 anos.

A posição foi avançada hoje por Heidi Ganeto, representante do SIACSA em São Vicente, que assegura que as empresas Silmac e Sepricav nunca cumpriram com a mudança de categoria profissional com os seus vigilantes.

Isto é, explica explica o sindicalista, estas empresas, as mais antigas de São Vicente, já contam com 30 anos no mercado, e vigilantes com 28 anos de serviço que nunca tiveram uma mudança de categoria profissional.

“Temos vigilantes que já deram uma vida inteira de trabalho nestas empresas e outros que entram hoje e que vão receber o mesmo salário. Isso nós não aceitamos. É inadmissível” reitera.

O mesmo recorre ao Código Laboral, que diz que de 3 em 3 anos as empresas devem proceder a mudança de categoria profissional, mas só que as empresas não têm cumprido com o que está na lei.

“Já foram chamadas à atenção várias vezes e marcamos vários pré-avisos de greve a exigir essas mudanças, mas continuam a ‘enrolar-nos’. No final deste mês poderá haver o anúncio de um pré-aviso de greve nestas duas empresas” concluiu Heidi Ganeto.

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.