Primeiro-ministro de Israel adverte Hamas de que “a paciência esgotou”

20/06/2021 21:10 - Modificado em 20/06/2021 21:10

O primeiro-ministro israelita, Naftali Benet, advertiu hoje o movimento islâmico palestiniano Hamas de que “a paciência esgotou” e não tolerará “mais violência” de qualquer tipo, um mês após o final da escalada de violência entre as partes.

© Reuters

“Os residentes das comunidades que fazem fronteira com Gaza não são cidadãos de segunda classe, merecem viver em paz e segurança”, frisou Benet, referindo-se às localidades que foram alvejadas por mísseis lançados pelo Hamas, considerado um grupo terrorista por Israel.

“Os nossos inimigos devem entender as regras. Não toleraremos a violência, o fogo esporádico e os renegados”, concluiu o primeiro-ministro numa cerimónia no Monte Herzl, em Jerusalém, para recordar os soldados israelitas tombados na guerra com Gaza, em 2014.

Foi o primeiro ato oficial em que participou Naftali Benet, desde que assumiu o cargo, em 13 de junho.

O chefe de Governo prometeu fazer todos os possíveis para recuperar os corpos dos soldados israelitas Oron Shauk e Hadar Goldin, que morreram na campanha de 2014, assim como trazer de volta a casa os prisioneiros israelitas Avera Mengistu e Hisham al-Saeed, detidos na Faixa de Gaza desde então.

Essa é uma das condições que Israel coloca ao Hamas para avançar nas conversações para consolidar a trégua alcançada em 21 de maio, que travou os últimos combates.

Essa última escalada bélica de onze dias, entre tropas israelitas e as milícias palestinianas de Gaza, a mais violenta desde a guerra de 2014, resultou na morte de 255 pessoas no enclave e 13 em Israel e conformou que a relação entre palestinianos e israelitas é cada vez mais tensa, tanto em Jerusalém como na Cisjordânia.

Benet também se dirigiu aos dois milhões de habitantes de Gaza que vivem na Faixa (bloqueada por Israel desde 2007) e garantiu que não tem “qualquer intenção de molestar aqueles que não se insurgiram com violência contra Israel e que estão cativos de uma organização terrorista, violenta e impiedosa”.

As palavras de Benet foram proferidas poucos dias após os ataques aéreos seletivos de Israel a alvos militares do Hamas, nas madrugadas de 16 e 17 de maio, em resposta a três dias de lançamento de balões incendiários para território israelita, desde a Faixa de Gaza, que provocaram dezenas de incêndios de pequenas dimensões.

Benet, um ex-líder colono e ultranacionalista religioso que, no passado, defendeu a anexação dos territórios da Palestina, moderou o seu discurso desde que em 13 de maio assumiu o cargo de primeiro-ministro.

Então, apelou à união nacional e à convivência pacífica de árabes e judeus à frente do chamado “Governo da Mudança”, cuja liderança irá ceder, ao fim de dois anos, ao seu aliado de coligação, o centrista laico Yair Lapid, que defende a retomada do processo de paz.

Lusa

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.