Maioria dos vigilantes ainda sem atualização da nova grelha salarial

9/06/2021 21:31 - Modificado em 9/06/2021 21:31
Foto: INFORPRESS

O presidente da Associação Nacional das Empresas de Segurança Privada (ANESP) disse hoje que o cumprimento da nova grelha salarial dos trabalhadores da segurança privada depende da adesão dos serviços ao PIR estipulado pelo Governo.

Em declarações à Inforpress, Francisco Nascimento explicou que foi acordado, num entendimento envolvendo a ANESP, os sindicatos e o Governo, que seriam criadas as condições para as empresas cobrarem o valor estipulado no Preço Indicativo de Referência (PIR), por forma a conseguirem pagar os salários dos trabalhadores de segurança privada, de acordo com a nova grelha salarial.

O novo piso salarial teria de ser pago no mês de Maio mas, apontou, as empresas não conseguiram cobrar tais valores e, por isso, ficaram impossibilitadas de cumprir com o que foi estipulado.

Segundo esclareceu, o PIR foi estabelecido pelo executivo para todos os serviços públicos, que, por sua vez, alegam que os valores não constam no orçamento, o que inviabilizou o seu pagamento.

“As empresas já fizeram de tudo junto dos serviços públicos, que argumentam que o PIR não está contemplado no Orçamento de Estado, enquanto os privados referem que o despacho é apenas para o sector público”, assinalou.

Por outro lado, informou, algumas empresas que conseguiram fazer a cobrança de acordo com o PIR, conseguiram cumprir com a nova grelha salarial, só que a maior parte não conseguiu.

“As empresas estão ainda na tentativa de sensibilizar os serviços, no sentido de aumentarem os valores,  por forma a cumprirem com este novo piso salarial. Contudo, disse Francisco Nascimento, a ANESP espera uma intervenção do Governo junto dos serviços públicos no sentido de aderirem ao PIR, conforme foi o entendimento entre todas as partes envolvidas.

Fonte: INFORPRESS

Comente a notícia

Obrigatório

Publicidades
© 2012 - 2021: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.